sicnot

Perfil

Mundo

Assassino arrependido acusa presidente das Filipinas de ter matado investigador da Justiça

Rodrigo Duterte matou um investigador do ministério da Justiça e ordenou o assassínio de opositores quando era presidente de câmara, afirmou esta quinta-feira um homem que se apresentou como assassino arrependido, num testemunho explosivo contra o presidente das Filipinas.

Edgar Matobato, 57 anos, falava perante a comissão do Senado filipino que investiga o aumento dos homicídios desde que o chefe de Estado tomou posse a 30 de junho.

Matobato contou que em 1993 Rodrigo Duterte "despejou dois carregadores de Uzi (pistola metralhadora)" sobre um certo Jamisola, agente do Departamento Nacional de Inquérito, que depende do Ministério da Justiça.

Segundo o testemunho, o "esquadrão da morte" a que Matobato pertencia entrou em confronto verbal e envolveu-se depois num tiroteio com Jamisola, antes do então presidente da Câmara de Davao ter chegado ao local do incidente.

"Foi o presidente da Câmara que o concluiu. Jamisola ainda estava vivo quando ele chegou. Ele despejou dois carregadores de Uzi sobre ele", afirmou.

O seu "esquadrão da morte" composto por polícias e antigos rebeldes comunistas assassinou, disse, em 25 anos (1988-2013) e à ordem de Rodrigo Duterte, um milhar de pessoas, uma das quais foi lançada viva aos crocodilos.

Muitas outras foram estranguladas e os corpos queimados ou cortados em pedaços e enterrados numa pedreira que pertencia a um polícia do grupo. Outros cadáveres foram atirados ao mar.

"O nosso trabalho era matar criminosos, violadores, traficantes e ladrões. Era o que fazíamos", reconheceu.

A senadora Leila de Lima, uma antiga ministra da Justiça, afirmou que Edgar Matobato se entregou em 2009 à Comissão filipina sobre os direitos humanos à qual ela presidia. Precisou que ele integrou depois um programa de proteção de testemunhas.

O ministro da Justiça, Vitaliano Aguirre, classificou de "mentiras" e "invenções" as declarações de Matobato, enquanto o porta-voz de Rodrigo Duterte, Martin Andanar, considerou improvável que o antigo advogado, atualmente com 71 anos, possa ter ordenado a morte de tantas pessoas.

"Não creio que ele seja capaz de dar tais diretivas. A comissão dos direitos humanos investigou há muito tempo a questão e não deu seguimento legal", declarou.

São "simples boatos" ditos por um "louco", reagiu o filho do chefe de Estado, Paolo Duterte.

Rodrigo Duterte é há muito acusado pelas organizações de defesa dos direitos humanos de ter financiado esquadrões da morte em Davao, mas esta é a primeira vez que um testemunho tão preciso apoia essas alegações.

Duterte foi eleito para a presidência em maio, após uma campanha populista durante a qual prometeu acabar em seis meses com o tráfico de droga.

Esta "guerra contra a droga" já causou 3.140 mortos, na maioria pessoas assassinadas por civis provavelmente encorajados pelos apelos do presidente para que fizessem justiça pelos seus próprios meios.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41