sicnot

Perfil

Mundo

"Exigimos demasiado dos oceanos"

O Presidente norte-americano, Barack Obama, apelou esta quinta-feira para uma rápida mobilização internacional em defesa dos oceanos, confrontados com "novas ameaças", ao anunciar a criação de uma reserva natural no Atlântico para proteger espécies e ecossistemas em risco.

Cliff Owen

"Exigimos demasiado dos oceanos ao querer que se adaptem a nós. Não podemos verdadeiramente proteger o nosso planeta sem os proteger", disse Obama.

Apontando, entre outras, as práticas de pesca não sustentáveis, o Presidente insistiu na imperiosa necessidade de tornar os oceanos mais resistentes às alterações climáticas, que modificaram profundamente a vida submarina.

"Os nossos oceanos alimentam-nos, protegem-nos, regulam o nosso clima", prosseguiu, numa cimeira que reúne cerca de 90 países, cientistas e organizações não-governamentais, intitulada "2016 - Our Ocean Conference".

Desde que chegou ao poder há quase oito anos, Obama já protegeu mais zonas, em terra e no mar, que qualquer dos seus antecessores, para tal recorrendo à Antiquities Act, uma lei assinada em 1906 por Theodore Roosevelt, fervoroso defensor da proteção dos recursos naturais.

"Os oceanos (têm um papel primordial) para "a nossa economia, a nossa política externa e a nossa segurança nacional, mas também para o que somos", defendeu o presidente dos Estados Unidos que se prepara, aos 55 anos, para deixar o poder, frisando quanto esta questão é, para ele, pessoal.

"Cresci no Havai, o oceano lá é magnífico. A ideia de que o oceano com o qual cresci não seja uma coisa que eu possa transmitir às minhas filhas e aos meus netos é inaceitável, inimaginável", observou.

A nova reserva natural hoje anunciada, situada ao largo da costa de Nova Inglaterra, é a primeira criada no Atlântico por um chefe de Estado norte-americano.

Ela estender-se-á por cerca de 12.700 quilómetros quadrados e permitirá, em particular, proteger diversas espécies de baleias e tartarugas do mar, bem como corais de águas profundas, segundo a Casa Branca.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.