sicnot

Perfil

Mundo

Juncker recorda que defendeu "Durão num banco, mas não no Goldman Sachs"

Juncker recorda que defendeu "Durão num banco, mas não no Goldman Sachs"

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, recordou esta quinta-feira que declarou em julho que "não haveria problema" se José Manuel Durão Barroso assumisse uma posição num banco privado, mas "não no Goldman Sachs".

Juncker respondia às perguntas de três jovens "YouTubers" numa entrevista organizada conjuntamente com a cadeia de televisão Euronews. O chefe do executivo comunitário recordou que em julho declarou que a contratação de Barroso, o seu antecessor na Comissão, pelo Goldman Sachs representava um problema para si, apontando o papel do banco norte-americano na crise dos "subprimes" em 2008.

"Que é que eu disse? Disse, e repito-o: não tenho problemas que ele assuma uma função num banco privado, mas nesse não!", disse Juncker, recordando declarações ao jornal belga Le Soir.

De facto, no Le Soir de 30 de julho surgem declarações de Juncker sobre o tema: "O facto de Barroso trabalhar para um banco não me chateia demasiado. Mas para o Goldman Sachs, já tenho problemas com isso".

"É uma iniciativa individual e ele respeitou as regras. Mas uma pessoa precisa de escolher o seu empregador", realçou na altura.

Juncker explicou aos seus entrevistadores o problema com o Goldman Sachs: "Porque o Goldman Sachs foi uma das entidades que contribuíram, sabendo ou não sabendo, para o nascimento de uma crise financeira e económica enorme no decorrer dos anos de 2007, 2008 e 2009".

O chefe do executivo comunitário aludia assim à crise dos créditos "subprimes", os créditos hipotecários de alto risco vendidos por algumas entidades financeiras norte-americanas.

"Então comecei a questionar-me sobre a identidade da porta rumo à qual ele se dirigia", disse Juncker, sublinhando - no entanto - que Durão Barroso é "um tipo honesto". "É um amigo", vincou.

A contratação de Durão Barroso, anunciada a 8 de julho pela Goldman Sachs, levantou uma onda de polémica e indignação, materializada em petições de cidadãos europeus e funcionários comunitários.

Em meados de julho o presidente francês, François Hollande, qualificou a mudança de cargo de Barroso como "moralmente inaceitável".

Mas durante dois meses a Comissão Europeia - que Barroso dirigiu de 2004 a 2014 - não viu qualquer má-conduta, recordando que o português tinha respeitado o código de ética dos comissários europeus ao esperar 18 meses, após cessar funções comunitárias, antes de aceitar um cargo num empregador privado.

Face às críticas que caíram sobre ele, Juncker pediu esta semana uma clarificação sobre os termos do contrato de trabalho com o banco americano. Também se ficou a saber que a Comissão pretende receber Barroso como um simples lobista e não com honras de ex-presidente do executivo comunitário.

Durão Barroso passou ao contra-ataque, acusando a UE de o discriminar.

Com Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
    Contas Poupança

    Contas Poupança

    4ª FEIRA JORNAL DA NOITE

    Chamar o médico a casa é um procedimento habitual para muitas famílias, mas chamar um enfermeiro a casa é menos comum. Uma portuguesa criou um sistema inovador no mundo em que pode chamar um enfermeiro a casa através da internet ou de uma aplicação para telemóvel com os mesmos preços em todo o país e sem mensalidades. Só paga o serviço que utilizar. O Contas Poupança foi conhecer os preços e comparar para ver se compensa.

  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29