sicnot

Perfil

Mundo

Central nuclear de Almaraz usa peças com falhas de qualidade

O Conselho de Segurança Nuclear espanhol revelou que a central de Almaraz, colada à fronteira portuguesa, usa peças produzidas numa fábrica com irregularidades nos dossiers de controlo de qualidade, mas garantiu que não constituem motivo para as retirar de funcionamento.

Além da central de Almaraz (Cáceres, a 100 quilómetros de Portugal), também a central de Ascó (Tarragona, Catalunha) utiliza nos seus reatores peças produzidas numa forja da fábrica francesa Le Creussot, fornecedora da AREVA. As irregularidades foram detetadas, em abril, nos dossiers de fabricação da forja usada para produzir os componentes mais tarde usados nos reatores destas duas centrais.

Na prática estas irregularidades consistem "em discrepâncias, modificações ou omissões nos parâmetros de fabricação ou nos resultados dos ensaios obtidos, e que não estavam refletidas nos dossiers de fabricação dessas peças", indicou o CSN num comunicado divulgado quinta-feira.

As peças em questão têm uma composição química (em percentagem dos metais que as compõem) diferente dos vários registos realizados durante o processo de forja.

"Encontraram-se dados diferentes sobre o conteúdo, em percentagem, de elementos como o alumínio e o manganês, nem sempre dentro do intervalo definido na especificação de compra. Ainda assim, os valores registados em todos os casos estavam dentro dos limites especificados no código usado na fabricação (código ASME)", indicou o CSN.

De acordo com a investigação da CSN, tanto a empresa espanhola Equipos Nucleares que adquiriu os componentes à forja com irregularidades, como a AREVA que forneceu os geradores de vapor e a a Westinghouse que forneceu a tampa do reator nuclear de Almaraz concluíram (através de testes de metalografia) que estas irregularidades no programa de controlo de qualidade "não têm impacto na integridade estrutural dos componentes mencionados".

Assim, e "face à informação existente até à data", a Direção Técnica de Segurança Nuclear "conclui que os componentes afetados são aceitáveis para que continuem a funcionar sem restrições".

Já a organização ecologista Greenpeace considera que o comunicado do CSN "confirma que as centrais de Almaraz e Ascó operam com peças de qualidade defeituosa", pelo que "manifesta a sua falta de confiança na Direção Geral de Segurança Nuclear" espanhola.

A Greenpeace reitera ainda o apelo para que as autoridades políticas de Espanha não "prolonguem a vida das centrais nucleares" e reforça que se devem manter os mais "apertados controlos de segurança".

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.