sicnot

Perfil

Mundo

Jovem processa pais por publicarem no Facebook fotos da sua infância

Uma jovem austríaca de 18 anos resolveu processar os pais pela publicação de fotos da sua infância, em situações que considera estarem a violar a sua privacidade. A questão é polémica, mas em alguns países a lei já definiu limites para estas situações, pondo travão a alguns abusos por parte dos pais.

Pais que publiquem fotos das suas crianças no Facebook podem um dia ver-se confrontados com a revolta dos filhos. Fotografias no banho, na sanita, ou noutras situações privadas, podem no mínimo ser causadoras de desconforto para muitos jovens adultos.

O caso da rapariga austríaca, que não quis revelar a identidade, será um entre vários, mas desta vez atingiu o extremo de a jovem decidir processar os pais porque estes se recusam a retirar as fotos do Facebook.

"Eles não tiveram vergonha, nem limites", disse ao jornal local de língua inglesa The Local. "Eles não queriam saber se era uma foto minha sentada na sanita ou deitada nua no berço. Todas as situações eram fotografadas e tornadas públicas", acrescentou.

A jovem pediu várias vezes aos pais para que retirassem as cerca de 500 fotos suas do Facebook, mas o pedido tem sido sistematicamente recusado.

"Estou cansada de não ser levada a sério pelo meus pais", desabafou para justificar a sua decisão de processar os pais.

O seu advogado, Michael Rami, considera que a legislação está do seu lado e que as imagens publicadas violam o direito de privacidade.

Em 12 anos de existência da rede social Facebook, este género de casos tende a tornar-se mais frequente, daí que em certos países a legislação já esteja bem definida. Em França, por exemplo, a violação da privacidade de um menor pode ser punida com prisão.

O pai da jovem austríaca alega que tem o direito a partilhar as fotos no Facebook porque foi ele que as tirou. O desfecho só será conhecido em novembro, quando o processo for a julgamento.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.