sicnot

Perfil

Mundo

Aviões da coligação liderada pelos EUA atacam exército sírio

A coligação internacional liderada pelos Estados Unidos atacou este sábado uma posição do exército sírio no leste do país, segundo um comunicado das Forças Armadas sírias, transmitido pela televisão estatal.

"Os aviões da coligação internacional (liderada pelos Estados Unidos) atacaram uma das posições do exército sírio (...) perto do aeroporto de Deir Ezzor", no leste do país, indicou o exército, anunciando a existência de "feridos", mas sem precisar o número.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, este ataque causou a morte de pelo menos 30 soldados.

"Os ataques próximos do aeroporto de Deir Ezzor mataram entre 30 a 35 soldados sírios", adiantou o Observatório.

Por seu lado, o exército russo disse que mais de 60 soldados do governo sírio foram mortos e dezenas de outros ficaram feridos neste ataque.

"Sessenta e dois soldados sírios foram mortos e dezenas de outros foram feridos nestes ataques", adiantou.

Lusa

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.