sicnot

Perfil

Mundo

Feridos de explosão em Nova Iorque já tiveram todos alta

As 29 pessoas que ficaram feridas na sequência da explosão de uma bomba no sábado em Nova Iorque já tiveram alta do hospital, segundo o presidente da câmara daquela cidade norte-americana.


"Não conhecemos as motivações, não sabemos a sua natureza (do ataque)", afirmou Bill de Blasio hoje em conferência de imprensa, citado pela Agência France Presse.

Segundo o autarca ainda não foi possível perceber-se se o ataque teve natureza pessoal ou política.

O engenho explodiu por volta das 8:30 locais de sábado em Chelsea, um dos bairros mais elegantes de Manhattan.

Uma segunda bomba que não chegou a detonar foi encontrada nas proximidades, disse fonte policial.

De acordo com Andrew Cuomo, governador do estado norte-americano, tratou-se de um ato de terrorismo sem qualquer aparente ligação internacional.

A explosão ocorreu nas vésperas da Assembleia Geral das Nações Unidas, pelo que foram mobilizados mais 1.000 polícias "por precaução", sublinhou o governador.

Entretanto, os investigadores não encontraram qualquer ligação entre a explosão em Nova Iorque e um ataque com arma branca no Minnesota, com oito feridos, ocorridos ambos no sábado.

"Até ao momento não há nenhuma prova que sugira uma ligação" entre os dois ataques, disse o chefe da polícia de St. Cloud, no norte do estado do Minnesota, William Blair Anderson, em declarações à estação de televisão CNN.

O ataque com arma branca, que ocorreu num centro comercial, foi reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico. A explosão em Nova Iorque não foi reivindicada.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02