sicnot

Perfil

Mundo

Papa diz que a corrupção "cria dependência"

O papa Francisco afirmou este domingo que a corrupção "cria dependência" e gera "pobreza, exploração e sofrimento", durante a oração do Angelus no palácio apostólico na praça de São Pedro.

Alessandra Tarantino

Francisco dedicou este domingo a sua reflexão às diferenças "entre dois estilos de vida contrapostos: o mundano e o do Evangelho".

Explicou que se tem de escolher entre dois caminhos "a honestidade e a desonestidade, a fidelidade e a infidelidade, o egoísmo e o altruísmo, o bem e o mal" e que não se pode "oscilar entre um e o outro".

Sobre o estilo de vida mundano, Francisco citou a corrupção, que disse que é como uma droga "que se pode usar e deixar quando se decide", mas advertiu que no entanto "produz dependência e gera pobreza, exploração e sofrimento".

A corrupção, adiantou, "constitui o caminho mais enganoso, o do pecado, ainda que seja o mais fácil de percorrer".

Francisco recordou que o Evangelho pede um estilo de vida "sério e comprometido, mas também cheio de alegria, que se baseia na honestidade, em ser correto, no respeito pelos outros e pela sua dignidade e no sentido do dever".

"Esta é a astúcia cristã", assegurou.

Francisco pediu então que os fiéis possam "escolher o caminho justo e encontrem o valor para ir contracorrente para seguir Jesus e o seu Evangelho".

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.