sicnot

Perfil

Mundo

"Gatos assassinos de pássaros devem ser mortos ou mantidos em casa"

ALIK KEPLICZ / AP

Um académico norte-americano faz uma sugestão que promete trazer polémica: matar todos os gatos vadios e manter dentro de casa todos os que são domésticos. Isto porque os felinos são verdadeiros assassinos de aves e de pequenos mamíferos, desiquilibrando a biodiversidade.

As teorias controversas de Peter Marra, diretor do centro sobre aves migratórias do Museu Smithsonian em Washington estão explicadas no livro "Cat Wars/Guerra de Gatos", em que defende a tese do "efeito devastador" que os gatos têm na vida selvagem.

"Do ponto de vista da conservação da natureza, a solução desejável parece óbvia - eliminar todos os gatos vadios, fazendo com que sejam adoptados ou - se tal não for possível - praticar eutanásia".

Peter Marra baseia as suas recomendações numa série de estudos que afirma provarem a responsabilidade dos gatos numa carnificina de aves e pequenos mamíferos.

No Reino Unido, 8,1 milhões de gatos são responsáveis pela morte de 55 milhões de pássaros todos os anos. Nos EUA, os gatos matam entre 3 a 4 milhões de pássaros anualmente.

"Há mais de 100 anos que os gatos têm tido um efeito devastador na biodiversidade. Temos mesmo de tratar dos gatos vadios. As pessoas que têm gatos devem controlá-los, os que não têm dono devem ser eliminados", defende Peter Marra.

Segundo o académico, os gatos são responsáveis pela extinção de 63 espécies de aves, mamíferos e répteis. "Eles fazem aquilo que lhes é natural. São predadores", sublinhou em declarações à Radio 4 britânica.

  • "Aqui há gato" abre as portas em Lisboa
    1:46

    País

    Se gosta de conviver num café e gosta da companhia de gatos, há um espaço para si em Lisboa. O "Aqui Há Gato" foi inaugurado na Calçada da Estrela e é um espaço "3 em 1" que pretende promover o convívio e a leitura, num espaço diferente com café e muitos gatos. Entrar na zona onde estão os gatos custa três euros e tem direito a uma bebida.

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twitter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.