sicnot

Perfil

Mundo

Acesso à saúde melhorou desde 2000 mas também houve retrocessos

O mundo registou progressos na saúde desde 2000, nomeadamente na mortalidade infantil e neonatal ou no acesso aos cuidados de saúde, mas alguns indicadores até pioraram, como a obesidade infantil, a violência doméstica ou o alcoolismo, indica um estudo.

Publicado esta quarta-feira na revista científica The Lancet e apresentado num evento nas Nações Unidas, em Nova Iorque, o estudo é o primeiro a avaliar o desempenho dos países nas metas relativas à Saúde inscritas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Definidos em 2015 para suceder aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, que expiraram nesse ano, os ODS são 17 objetivos universais, 169 metas, e 230 indicadores que visam abordar problemas globais como a segurança alimentar, a pobreza, o acesso à água ou as alterações climáticas e que têm como prazo o ano 2030.

A saúde é um setor central nos ODS: o terceiro objetivo é "garantir vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos, em todas as idades" e há indicadores relacionados com a saúde em 11 dos outros 16 objetivos.

Na sua investigação, os cientistas liderados por Stephen Lim, do Instituto para a Métrica e a Avaliação da Saúde na Universidade de Washington, em Seattle, EUA, usaram dados do estudo sobre o Peso Global da Doença para avaliarem o desempenho de 188 países em 33 dos 47 indicadores relativos à saúde nos ODS, classificando-os num índice que vai de zero (o pior) a 100 (o melhor).

Nas suas conclusões, os autores escrevem que se verificam progressos nos indicadores que já estavam abrangidos pelos ODM, mas não tanto nos indicadores que vão além dos ODM, alguns dos quais até pioraram - como o excesso de peso na infância, a violência doméstica ou o consumo excessivo de álcool.

Com efeito, os progressos a nível mundial variam muito consoante os indicadores, acrescentam os cientistas.

Embora 60% dos países já tenham alcançado algumas metas para 2030 - redução da mortalidade materna (menos de 70 mortes em cada 100 mil nados vivos) e infantil (25 mortes em cada mil nados vivos), - nenhum país alcançou qualquer das nove metas para a eliminação total de doenças como a tuberculose e o VIH.

O frágil progresso no combate a estas duas doenças nos últimos 25 anos leva mesmo os autores a considerar irrealista o objetivo de eliminá-las nos próximos 25 anos.

O estudo permite ainda concluir que menos de um quinto dos países conseguiu eliminar o baixo peso e baixa estatura nas crianças com menos de cinco anos ou alcançar o acesso universal a fontes seguras e económicas de água e saneamento.

Os investigadores compararam os desempenhos em saúde com um índice socio-demográfico (ISD) que criaram para medir o nível de desenvolvimento dos países, baseado no rendimento 'per capita', sucesso escolar e taxa de fertilidade.

Esta comparação permitiu-lhes concluir que alguns países, como Timor-Leste, o Tadjiquistão, Taiwan ou a Islândia registaram melhorias maiores do que o esperado para o seu desenvolvimento, enquanto outros, incluindo a Líbia e a Síria, tiveram desempenhos piores na saúde do que o seu nível de desenvolvimento faria supor.

Embora o ISD fosse fortemente condicionante do desempenho na maioria dos indicadores de saúde, não tinha o mesmo impacto em fatores também contabilizados, como a violência interpessoal, a automutilação, a poluição, a poluição atmosférica ou a obesidade infantil.

Os autores concluíram por isso que investir no aumento do rendimento 'per capita', na educação e no planeamento familiar não será suficiente para alcançar as metas dos ODS em 2030.

"O nosso estudo é um ponto de partida para mais investigação sobre como e por que motivo os países estão a ter desempenhos melhores ou piores do que a média. Será um esforço anual para garantir que o progresso se mantém e que as lições dos casos de sucesso são rapidamente apreendidas e transferidas para outros países onde o progresso é menos impressionante", disse Stephen Lim, citado pela Lancet.

Neste índice, a Islândia, Singapura e a Suécia são os mais bem classificados (todos têm 85 pontos), enquanto no extremo oposto surgem a República Centro-Africana (20 pontos), a Somália e o Sudão do Sul (ambos com 22 pontos).

Com 78 pontos, Portugal surge na 22.ª posição, pressionada pelos maus resultados em indicadores como o VIH ou o excesso de peso.

Portugal surge acima de países como França (24.º), Grécia (26.º) ou os EUA (28.º), mas abaixo de Espanha (7.º), Irlanda (13.º) ou Itália (20.º).

Entre os outros países lusófonos, o Brasil reúne 60 pontos e fica na 90.ª posição, com a violência como o pior indicador; Timor-Leste e Cabo Verde, no 122.º e 123.º lugares, respetivamente, têm ambos 53 pontos.

Timor-Leste tem a malária como o pior indicador, enquanto em Cabo Verde são a água e a higiene os indicadores com piores resultados.

A Guiné Equatorial tem 36 pontos e está na 157.ª posição, enquanto Angola está na 170.ª, com 32 valores, sendo ambos os países prejudicados pelos indicadores malária, água e higiene.

A Guiné-Bissau e Moçambique (176.º e 177.º lugares, respetivamente, têm ambos 29 pontos, sendo os indicadores mais preocupantes o acesso à água, higiene e a poluição do ar interior).

Lusa

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.