sicnot

Perfil

Mundo

Fundador do Facebook vai doar 2,6 mil milhões de euros para cura de doenças

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, e a sua mulher prometeram esta quarta-feira doar três mil milhões de dólares durante a próxima década para a prevenção e cura de doenças e garantir um futuro mais seguro para a filha.

"Esta é uma meta ambiciosa", afirmou Mark Zuckerberg, em São Francisco, ao anunciar o donativo (de cerca de 2,6 mil milhões de euros), salientando que passou os últimos anos a discutir com especialistas que acreditam que é possível.

Mark Zuckerberg disse acreditar que, dada a esperança média de vida, o donativo vai permitir que no final do século tenham sido encontrados tratamentos contra quaisquer doenças.

A sua mulher, Priscilla Chan, médica, disse que não significa que as crianças não vão estar doentes, mas que as doenças serão menos frequentes.

Aquele investimento será o primeiro de um esforço que o casal espera que seja "coletivo" e que pretende apoiar a criação de um centro biológico em São Francisco, onde investigadores e cientistas possam desenvolver ferramentas para melhor estudarem e compreenderem as doenças.

Lusa

  • Mark Zuckerberg, o Instagram e a fita-cola

    Mundo

    O homem que fundou a maior rede social do mundo, que concentra todos os dias informação pessoal de mais de um bilião de pessoas, parece estar preocupado com a sua privacidade. Mark Zuckerberg publicou uma fotografia por celebração dos 500 milhões de utilizadores mensais do Instagram. Numa observação mais cuidada, pode ver-se a câmara do seu Macbook, bem como a entrada audio, tapados com fita-cola.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras