sicnot

Perfil

Mundo

Hollande anuncia fundo mundial para a proteção do património

O Presidente francês, François Hollande, anunciou na terça-feira à noite em Nova Iorque a criação de um fundo mundial para a salvaguarda do património ameaçado, que pode reunir 100 milhões de dólares.

"Queremos criar um fundo mundial de apoio à salvaguarda do património cultural com a ambição de angariar 100 milhões de dólares", declarou o chefe de Estado francês, no grande salão do Museu Metropolitan, dedicado ao templo egípcio de Isis.

O salão foi oferecido ao governo norte-americano pelo Egito nos anos 1960 para agradecer aos Estados Unidos pela sua participação no resgate de património ameaçado pela subida das águas do Nilo.

O novo fundo, precisou François Hollande, será criado por ocasião da conferência internacional sobre o património da humanidade ameaçado, organizada pela França e pelos Emirados Árabes Unidos a 02 e 03 de dezembro.

Este fundo "financiará o resgate das obras e monumentos, assegurará a restauração e a reconstrução de lugares de memória e formará especialistas, arqueólogos, historiadores", indicou.

"Terá um estatuto privado" e acompanhado de um "regime de incentivo fiscal" para reunir "o máximo de mecenas", disse ainda o Presidente francês.

Do Mali ao Afeganistão, passando pela Argélia, Líbia, Síria e Iraque, vários bens culturais foram destruídos por grupos extremistas nos últimos anos.

Hollande disse ainda que a França vai instar o "Conselho de Segurança (da ONU) para que fixe normas gerais de proteção", de modo a que "as regras se apliquem no quadro de operações de manutenção de paz".

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.