sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Colômbia entrega acordo de paz com FARC à ONU

© Mike Segar / Reuters

A Colômbia entregou esta quarta-feira ao Conselho de Segurança da ONU o recente acordo entre o Governo e a guerrilha das FARC, um instrumento que Presidente Juan Manuel Santos considerou "uma contribuição para a paz no mundo".

Santos entregou o documento à presidência do Conselho de Segurança na presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que confirmou a sua deslocação na segunda-feira em Cartagena de Indias (norte da Colômbia), onde vai ser assinado o acordo de paz.

"Aqui está o resultado deste trabalho em que todos ajudaram e que é uma contribuição para a paz no mundo", afirmou Santos na cerimónia, antes de uma sessão do CS para analisar a situação no Médio Oriente.

Na sua mensagem ao Conselho de Segurança, e após ter recebido felicitações de diversas personalidades, incluindo a Presidente chilena Michelle Bachelet, o chefe de Estado colombiano sublinhou a importância do acordo.

"É o resultado de quase seis anos (dois de negociações secretas e quatro de diálogo aberto) para terminar o último conflito armado no hemisfério ocidental", afirmou.

"Foi uma guerra que se prolongou por 25 anos e que originou todo o género de sofrimento e dor para o meu país", acrescentou.

Juan Manuel Santos sublinhou ainda que o documento acordado entre o Governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) "colocam pela primeira vez as vítimas no centro da solução do conflito, o seu direito à verdade, à justiça, à compensação e à sua não repetição".

Numa mensagem prévia, o secretário-geral da ONU saudou a "visão, valentia e liderança" demonstrada por Santos para concluir estas negociações.

"É o resultado do trabalho de todos os colombianos, de todas as partes e muitas organizações e indivíduos que contribuíram para as negociações", assinalou.

Ban Ki-moon felicitou ainda Cuba e Noruega, garantes dos acordos, e o Chile e Venezuela, país que também contribuíram para o acordo de paz.

"À ONU foram confiadas importantes responsabilidades, em particular a monitorização e verificação do cessar-fogo e o abandono das armas", recordou.

A ONU está a preparar uma missão para a Colômbia que deverá integrar 200 observadores e membros do pessoal civil, que vão ser distribuídos por diversas zonas do país.

"Estes números vão crescer rapidamente à medida que forem sendo completadas as seguintes fases do processo", acrescentou.

Lusa

  • Centro comercial em Manchester evacuado

    Mundo

    Um centro comercial foi evacuado esta manhã, no centro de Manchester. Testemunhas dizem ter ouvido um "grande estrondo". O incidente acontece horas depois do ataque na Manchester Arena, no final da atuação da cantora Ariana Grande, no qual morreram pelo menos 22 pessoas. O espaço comercial em Manchester foi entretanto reaberto. A polícia começou a retirar o cordão de segurança, pouco tempo depois de ser dado o alerta. Uma pessoa foi detida.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.