sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 500 milhões de contas do Yahoo foram pirateadas

Bebeto Matthews

O Yahoo anunciou esta quinta-feita que 500 milhões de contas dos seus utilizadores foram pirateadas no final de 2014, o que poderá a afetar as negociações em curso para a venda do seu principal negócio.

Segundo o Yahoo, o pirata informático foi "apoiado por um Estado" e conseguiu obter informações pessoais, como números de telefone, email, datas de nascimento e senhas de 500 milhões de usuários.

A falha de segurança por ter implicações no contrato de compra da Yahoo pelo gigante das telecomunicações Verizon, no valor de 4.800 milhões dólares (cerca de 4.200 milhões de euros) e que aguarda a aprovação dos órgãos reguladores.

"A Yahoo está a trabalhar em conjunto com as agências de segurança. A pirataria informática apoiada por estados tornou-se cada vez mais comum na indústria tecnológica", acrescenta a empresa, com sede em Santa Clara, Califórnia, num comunicado divulgado esta quinta-feira.

No verão, a empresa informou que estava a investigar um pirata informático denominado "Peace", que assegurou ter os dados privados de 200 milhões de utilizados dos serviços da Yahoo.

"Peace" vende os dados pessoais, contas de correio eletrónico e contrassenhas na denominada "dark web" (internet clandestina), com acesso anónimo e que apoia a atividade dos piratas informáticos, por um preço total de 3 bitcoins, o equivalente a 1.800 dólares (cerca de 1.600 euros).

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras