sicnot

Perfil

Mundo

Dirigente da Renamo assassinado no centro de Moçambique

Um dirigente da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) foi assassinado na tarde desta quinta-feira no distrito de Moatize, Tete, numa ação que o movimento atribui a um esquadrão da morte, disse à Lusa fonte do partido.

O membro da Assembleia provincial de Tete e delegado distrital da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) em Moatize, Armindo Nkutche, foi executado com tiros, minutos depois de discursar no encerramento da 5.ª sessão ordinária do órgão que fiscaliza o Governo provincial, explicou Félix Assomati, delegado político provincial do partido.

"Depois que saiu da sessão, [a vítima] entrou num chapa (transporte coletivo de passageiros), para caminhar para o seu esconderijo, já que era procurado pelos esquadrões, quando foi regado por balas" contou Félix Assomati.

Ao reconstituir o incidente, Félix Assomati, disse que uma viatura branca dupla cabine, de vidros fumados e sem matrícula seguiu a trajetória da vítima.

Na noite de quarta-feira, a residência da vítima teria sido vandalizada por desconhecidos quando o dirigente da Renamo estava no seu esconderijo.

A região centro de Moçambique tem sido a mais atingida por episódios de confrontos entre o braço armado da Renamo e as Forças de Defesa e Segurança, além de denúncias mútuas de raptos e assassínios de dirigentes políticos das duas partes.

A Renamo não reconhece os resultados das eleições gerais de 2014 e exige governar nas províncias de Sofala, Tete, Manica e Zambézia, centro de Moçambique, e também em Niassa e Nampula, no norte.

Apesar da frequência de casos de violência política, as duas partes voltaram ao diálogo em Maputo, a 12 de setembro, após o processo negocial ter sido suspenso por três semanas a pedido dos mediadores internacionais, que ainda não conseguiram avanços.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras