sicnot

Perfil

Mundo

Presidente do Panamá diz que evasão fiscal é um problema mundial

© Eduardo Munoz / Reuters

O aparecimento de uma nova lista de sociedades offshore nas ilhas Bahamas mostra que a evasão fiscal é um problema em todo o mundo e não apenas do Panamá, disse esta sexta-feira o Presidente deste país, Juan Carlos Varela.

"Os Documentos do Panamá foram principalmente um tema mediático e expuseram um problema global. Colocou-se-lhe o nome do Panamá, porque foi uma empresa panamiana que sofreu a subtração de informação, mas o tema da evasão fiscal é um problema global", afirmou Varela a jornalistas.

O Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla em inglês) divulgou informação, na quarta-feira, oriunda de uma nova fuga, com mais de 175 mil empresas 'offshore' nas Bahamas.

A divulgação desta informação ocorre cinco meses depois de se conhecerem os Documentos do Panamá, que revelaram a contratação dos serviços do escritório de advogados panamiano Mossack Fonseca, por centenas de personalidades de todo o mundo, para a abertura de sociedades offshore em vários paraísos fiscais.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.