sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos russos e sírios fazem pelo menos 25 mortos em Alepo

Pelo menos 25 civis morreram em raides aéreos russos e sírios na zona oriental da cidade de Alepo, controlada pelos rebeldes, no segundo dia de intensos ataques governamentais, informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Teme-se que o número de vítimas aumente porque há pessoas presas nos escombros, acrescentou o observatório, sediado em Londres.

Os ataques ocorreram pela segunda noite, depois de Damasco anunciar, ao final do dia de quinta-feira, uma operação para recuperar o controlo de toda a cidade, atualmente dividida entre o governo e os rebeldes.

Bustan al-Qasr fica na linha que divide a zona ocidental, controlada por Damasco, e a zona oriental de Alepo, controlada pelos rebeldes.

Entre os mortos estão sete pessoas mortas quando faziam fila para comprar iogurte num mercado no bairro de Bustan al-Qasr, acrescentou o grupo sediado em Londres.

Na sexta-feira, 47 pessoas morreram em bombardeamentos intensos, entre as quais sete crianças, diz o Observatório.

Os raides destruíram vários bairros, incluindo Al-Kalasseh e Bustan al-Qasr, onde algumas ruas foram quase apagadas pelas bombas.

Habitantes e ativistas descreveram o uso de mísseis que produzem tremores semelhantes a sismos e destroem edifícios até ao nível da cave, onde muitos residentes procuram proteção durante os ataques.

O observatório diz que já só há dois carros de bombeiros na cidade e estes, assim como as ambulâncias, têm dificuldades em circular pela cidade.

Sem eletricidade ou combustível para os geradores, a cidade está às escuras e é difícil circular à noite, além de que os escombros impedem a passagem em muitas ruas, havendo alguns bairros que estão intransitáveis.

Os cerca de 250 mil habitantes do leste de Alepo têm estado em circunstâncias semelhantes a um cerco desde que o governo bloqueou os acessos em meados de julho.

Uma trégua negociada entre Washington e Moscovo permitiu no início do mês alguns dias de pausa na violência, mas não chegou para que a ajuda humanitária alcançasse o objetivo.

Entretanto, o cessar-fogo foi quebrado e na quinta-feira o exército sírio anunciou a operação para recuperar Alepo.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.