sicnot

Perfil

Mundo

Tornada pública correspondência entre Barroso e Goldman Sachs em 2005

Tornada pública correspondência entre Barroso e Goldman Sachs em 2005

O fim de semana está a ser marcado por revelações na imprensa sobre as relações de proximidade entre a Comissão Europeia e o banco Goldman Sachs durante os mandatos de Durão Barroso. As notícias são do jornal Público, que consultou os arquivos da comissão em Bruxelas e que escreve que os banqueiros faziam chegar ao gabinete de Barroso sugestões de alteração às políticas europeias.

  • Barroso terá tido reuniões com o Goldman Sachs quando era ainda presidente da CE
    2:16

    Mundo

    A noticia é avançada pelo jornal Público que revela também que os banqueiros faziam chegar ao gabinete de Barroso sugestões de alteração às políticas da União.À margem de um congresso no Estoril, o antigo homem forte da Europa disse ontem que não se juntou a nenhum cartel da droga. e que não aceita ser discriminado por aceitar trabalhar na Goldman Sachs.

  • Barroso diz que não se juntou a nenhum cartel da droga
    1:30

    País

    Durão Barroso elogiou esta sexta-feira a atitude do primeiro-ministro em pedir esclarecimentos ao atual presidente da Comissão Europeia. À margem de um congresso no Estoril, disse ainda que não se juntou a nenhum cartel da droga e que não aceita ser discriminado por ter aceitado trabalhar na Goldman Sachs.

  • Durão Barroso diz que só existe polémica porque é português
    1:01

    País

    Durão Barroso voltou esta sexta-feira a falar sobre as críticas de que tem sido alvo após a nomeação para Presidente do banco internacional Goldman Sachs. O ex-presidente da Comissão Europeia disse que não aceita que lhe sejam limitados os direitos e saudou António Costa por este ter pedido esclarecimentos ao atual Presidente da Comissão sobre o tratamento adotado em relação a Barroso.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.