sicnot

Perfil

Mundo

EUA denunciam 158 ataques aéreos em três dias sobre Alepo

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Os Estados Unidos denunciaram este domingono Conselho de Segurança da ONU que aviões militares russos e sírios lançaram nos últimos três dias pelo menos 158 ataques aéreos contra a zona leste de Alepo, numa ofensiva "sem precedentes".

O número foi apontado pela embaixadora norte-americana junto da Organização das Nações Unidas (ONU), Samantha Power, numa intervenção numa reunião do Conselho de Segurança convocada de urgência para analisar os ataques à cidade síria nos últimos dias.

Power afirmou que estes ataques causaram pelo menos 139 mortos e centenas de feridos no leste de Alepo, o mesmo número que tinha sido adiantado, antes, pelo enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura.

"A Rússia tem o poder de parar este sofrimento. Não haverá paz na Síria se a Rússia prosseguir com esta guerra", afirmou a embaixadora dos Estados Unidos, numa referência ao apoio militar e político que Moscovo tem prestado ao regime de Bashar al-Assad.

A diplomata acrescentou que, de acordo com testemunhos recolhidos na zona flagelada pelos ataques, que está sob o controlo dos rebeldes sírios, trata-se de uma ofensiva militar por ar e por terra "sem precedentes quer em quantidade quer em qualidade".

Os ataques mostram, na sua opinião, que "o regime de al-Assad apenas crê numa solução militar", mas "pouco lhe importa o que restará da Síria após essa solução militar".

Samantha Power denunciou que enquanto os Estados Unidos e a Rússia negociavam em Nova Iorque um prolongamento da trégua que terminou na passada segunda-feira, aviões russos e sírios atacaram três das quatro bases dos "capacetes azuis" no leste de Alepo, que prestam assistência a vítimas civis dos bombardeamentos.

Power acusou a Rússia de "abusar do privilégio" de ser um dos cinco países com direito de veto no Conselho de Segurança da ONU para travar ações mais firmes contra o regime sírio pela "matança" que se verifica na Síria.

A embaixadora recordou que os Estados Unidos lideram uma coligação de 77 países para lutar contra os grupos terroristas que operam na Síria, mergulhada numa guerra civil desde março de 2011.

Mas, acrescentou Power, "o que a Rússia está a fazer não é combater o terrorismo, mas sim uma barbárie".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.