sicnot

Perfil

Mundo

Rei saudita corta salários a ministros em 20%

O Governo do rei saudita, Salman, decidiu esta seguda-feira reduzir os salários dos seus ministros em 20% e cortou benefícios a outros agentes estatais, continuando uma política de austeridade em resposta à decida do preço do petróleo.

Os 160 membros do um conselho consultivo do rei, designado Shura, que inclui 30 mulheres, vão ter diminuído em 15% o seu subsídio anual para habitação, recheio da casa e viaturas, segundo um decreto real.

Os membros da 'shura' são nomeados pelo rei para o aconselharem.

Os decretos que anunciam as medidas não quantificam as poupanças conseguidas.

Os preços do petróleo baixaram mais de 50% desde 2014, o que provocou à Arábia Saudita um défice orçamental recorde em 2015.

A queda na principal fonte de receitas do reino provocou uma série de inéditos cortes e reduções na despesa pública.

Em abril deste ano, o filho do rei e segundo na linha da sucessão, o príncipe Mohammed bin Salman, anunciou um plano de médio prazo, designado Visão 2030, para diversificar a economia.

Este esforço também requer uma administração mais fiável e dinâmica.

Os decretos de hoje impõem também ao governo que "acabe com a disponibilização de viaturas a funcionários públicos seniores", bem como a redução das despesas com telefones.

Mas os soldados que estão na linha da frente, na fronteira sul com o Iémen, vão ficar isentos de uma disposição que visa retirar aos militares um bónus atribuído anualmente.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41