sicnot

Perfil

Mundo

Colômbia e guerrilha das FARC assinam acordo de paz

Colômbia e guerrilha das FARC assinam acordo de paz

O Governo colombiano e as FARC assinaram o acordo de paz que põe fim a 52 anos de conflito armado. O documento entrará em vigor se a maioria dos colombianos votar a favor no referendo do próximo domingo.

O Governo da Colômbia e a guerrilha das FARC assinaram o acordo histórico para pôr fim a mais de meio século de um conflito armado que fez centenas de milhares de mortos e desaparecidos.

O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e Rodrigo Londoño, chefe das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC, marxistas), mais conhecido pelo nome de guerra "Timoleon Jimenez" ou "Timochenko", assinaram este acordo de 297 páginas, numa cerimónia solene em Cartagena das Índias (norte).

O acordo, conseguido ao fim de quase quatro anos de diálogos entre o Governo e as FARC, em Havana, foi assinado perante mais de 2.500 convidados, incluindo 15 Presidentes.

O documento foi assinado primeiro por Londoño e depois por Santos, com canetas feitas a partir de balas. No final, os dois homens cumprimentaram-se e trocaram algumas palavras com um sorriso nos lábios.

No discurso proferido após a assinatura do acordo, o líder das FARC saudou o início de "uma nova era de reconciliação" e pediu perdão às "vítimas do conflito".

"Estamos a renascer para dar início a uma nova era de reconciliação e de construção da paz", disse Rodrigo Londoño.

Antes da cerimónia, Juan Manuel Santos escreveu na rede social Twitter: "Hoje vivemos a felicidade de um novo amanhecer para a Colômbia, uma nova fase da nossa história - a de um país em paz!".

Os convidados, vestidos de branco, agitaram lenços para marcar a assinatura do acordo, enquanto um grupo de aviões da força aérea colombiana desenhava, nos céus de Cartagena das Índias, a bandeira colombiana.

A cerimónia, na presença do presidente de Cuba, Raul Castro, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, entre outros, prolongou-se por 70 minutos.

  • William e Kate apresentam o filho ao mundo
    1:42
  • Marcelo defende debate alargado sobre saúde
    0:57

    País

    O Presidente da República defende que um debate profundo sobre o futuro da saúde deve envolver todos os intervenientes políticos. Para Marcelo Rebelo de Sousa quanto mais partidos estiverem envolvidos na discussão, melhor.

  • Governo apresenta medidas que privilegiam arrendamento e reabilitação
    1:16

    País

    O Governo apresentou esta tarde um novo pacote de medidas para a habitação. Trata-se de uma visão que privilegia o arrendamento e a reabilitação como formas de garantir o acesso a todas as famílias a uma habitação adequada. O primeiro-ministro diz que é preciso segurança nos contratos de arrendamento e avança por isso como uma proposta de benefícios.

  • Salah Abdeslam e cúmplice condenados a 20 anos por tentativa de assassínio de cariz terrorista
    1:11

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo, que remete para o momento em que foi detido em Bruxelas, em março de 2016. Salah Abdeslam e um cúmplice foram considerados culpados de tentativa de assassínio de cariz terrorista pela participação numa troca de tiros com a polícia belga da qual resultaram três agentes feridos. 

  • Beyoncé e a irmã caem no Coachella e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC