sicnot

Perfil

Mundo

Comércio internacional de pangolins proibido por convenção internacional

© Reuters Photographer / Reuter

​O comércio internacional de todas as espécies de pangolins, um mamífero ameaçado de extinção, foi proibido pelo comité da Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas (CITES), em Joanesburgo, na África do Sul.

"O comité aceitou que todas as espécies de pangolins -- africanos e asiáticos -- sejam inscritos no anexo I" da convenção, que proíbe o comércio de espécies ameaçadas, foi divulgado hoje na conta oficial da CITES no Twitter.

Até agora, o comércio das oito espécies conhecidas deste mamífero que vive em África e no sudeste asiático era legal, mas regulamentada.

"Esta é uma grande vitória e uma rara boa notícia para uma das espécies mais ameaçadas do mundo", disse Ginette Hemley, a chefe da delegação da organização mundial de proteção da natureza WWF.

Segundo a conservacionista, "isso conclui as questões em torno da legalidade do comércio, fazendo com que o tráfico seja mais difícil", apelando aos 182 Estados-membros da Convenção a "implementar rapidamente a decisão".

A carne delicada, os ossos e os órgãos do pangolim são populares entre os chineses e vietnamitas.

Curandeiros também usam as suas escamas de queratina - o mesmo material do chifre de rinoceronte -- como componente terapêutico. Na cultura tradicional africana, o mamífero também é conhecido por afastar o mau-olhado.

A reprodução destes mamíferos é também muito difícil.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras