sicnot

Perfil

Mundo

Erupção de vulcão na Indonésia leva à retirada de 400 turistas de montanha

Reuters

Equipas de resgate foram hoje mobilizadas na Indonésia para retirar cerca de 400 turistas de uma montanha muito procurada para o "trekking", uma modalidade de caminhada, após a erupção de um vulcão, noticia a AFP.

A erupção do monte Barujai começou na tarde de terça-feira, com a expelição de fumo e cinzas a cerca de dois quilómetros nos céus da ilha de Lombok, a este da ilha de Bali, disse um porta-voz da agência nacional de gestão das catástrofes naturais, Sutopo Purvo Nugroho.

Quase 400 pessoas estavam perto do monte Barujani, um cone vulcânico na cratera do vulcão Rinjani, com 3.726 metros de altitude.

"Uma equipa de socorro foi destacada para o monte Rinjani para retirar os turistas. Os socorristas partiram hoje de manhã", disse o porta-voz à AFP.

As autoridades recomendaram aos caminhantes para ficarem a pelo menos três quilómetros do vulcão em erupção, que constitui uma atração no programa de 'trekking' de vários dias realizado anualmente por milhares de turistas até ao cume do monte Rinjani.

Nugroho precisou que 389 pessoas, a maioria estrangeiras, entraram desde domingo no parque nacional onde fica situado o monte Rinjani, um dos 129 vulcões ativos no arquipélago situado no "anel de fogo do Pacífico", e que alguns poderão ter-se aventurado fora dos trilhos oficiais.

O nível de alerta do vulcão foi elevado na terça-feira, mas mantinha-se hoje a dois níveis da categoria mais elevada.

As cinzas expelidas pelo vulcão não causaram perturbações no tráfego aéreo hoje, informou um porta-voz do Ministério dos Transportes, Hemi Pramuraharjo, questionado pela AFP.

Alguns voos com destino e a partir da ilha de Bali foram cancelados durante a noite, mas o aeroporto de Lombok não foi afetado.

Uma erupção no monte Rinjani em agosto levou ao encerramento do aeroporto de Lombok e causou perturbações nos voos para Bali.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.