sicnot

Perfil

Mundo

Erupção de vulcão na Indonésia leva à retirada de 400 turistas de montanha

Reuters

Equipas de resgate foram hoje mobilizadas na Indonésia para retirar cerca de 400 turistas de uma montanha muito procurada para o "trekking", uma modalidade de caminhada, após a erupção de um vulcão, noticia a AFP.

A erupção do monte Barujai começou na tarde de terça-feira, com a expelição de fumo e cinzas a cerca de dois quilómetros nos céus da ilha de Lombok, a este da ilha de Bali, disse um porta-voz da agência nacional de gestão das catástrofes naturais, Sutopo Purvo Nugroho.

Quase 400 pessoas estavam perto do monte Barujani, um cone vulcânico na cratera do vulcão Rinjani, com 3.726 metros de altitude.

"Uma equipa de socorro foi destacada para o monte Rinjani para retirar os turistas. Os socorristas partiram hoje de manhã", disse o porta-voz à AFP.

As autoridades recomendaram aos caminhantes para ficarem a pelo menos três quilómetros do vulcão em erupção, que constitui uma atração no programa de 'trekking' de vários dias realizado anualmente por milhares de turistas até ao cume do monte Rinjani.

Nugroho precisou que 389 pessoas, a maioria estrangeiras, entraram desde domingo no parque nacional onde fica situado o monte Rinjani, um dos 129 vulcões ativos no arquipélago situado no "anel de fogo do Pacífico", e que alguns poderão ter-se aventurado fora dos trilhos oficiais.

O nível de alerta do vulcão foi elevado na terça-feira, mas mantinha-se hoje a dois níveis da categoria mais elevada.

As cinzas expelidas pelo vulcão não causaram perturbações no tráfego aéreo hoje, informou um porta-voz do Ministério dos Transportes, Hemi Pramuraharjo, questionado pela AFP.

Alguns voos com destino e a partir da ilha de Bali foram cancelados durante a noite, mas o aeroporto de Lombok não foi afetado.

Uma erupção no monte Rinjani em agosto levou ao encerramento do aeroporto de Lombok e causou perturbações nos voos para Bali.

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.