sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas alertam que subida da temperatura no planeta está a acelerar

​A subida das temperaturas no planeta está a acelerar e "é necessário duplicar, ou triplicar mesmo, os esforços" para limitar as emissões de gases com efeito de estufa, alertaram sete eminentes climatologistas.

Estes emitiram um alerta, através de um comunicado de sete páginas, que resume uma nova análise detalhada, intitulado 'A Verdade sobre as Alterações Climáticas'.

"O aquecimento global está a ocorrer agora e a uma velocidade muito mais forte do que prevista", sintetizou Robert Watson, antigo presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), porta-voz dos sete cientistas que assinaram o documento.

A Terra está em vias de bater este ano o seu terceiro recorde anual consecutivo de calor desde o início dos registos da temperatura, em 1880.

"Sem esforços suplementares de todos os principais emissores de gases com efeito de estufa, o objetivo de limitar a subida da temperatura a dois graus Celsius (2ºC) poderia ser alcançado mais depressa do que previsto", preveniu.

Os dirigentes dos vários países determinaram inicialmente os 2ºC como o limite máximo de subida da temperatura média global em relação ao período pré-industrial. Consideraram então que este limite permitiria evitar as consequências mais nefastas do aquecimento global, como as secas, os incêndios, as vagas de calor, as inundações e outras intempéries.

Na conferência de Paris, realizada em dezembro último, porém foi fixado um objetivo mais ambicioso, situando-o nos 1,5ºC.

Mas em 2015, a temperatura média na Terra já tinha superado a do período pré-industrial, do século XIX, em 1ºC, segundo a Organização Meteorológica Internacional.

Isto representou uma subida importante no espaço de apenas três anos, uma vez que o aumento, em 2012, era de apenas 0,85ºC.

E o número de fenómenos climáticos extremos, ligados ao aquecimento global, duplicou desde 1990, sublinharam os cientistas.

Mesmo que todos os países signatários do Acordo de Paris respeitem os seus compromissos para limitar a subida das temperaturas, as emissões globais de gases com efeito de estufa não diminuiriam o suficiente durante os próximos 15 anos, insistiram, citando um relatório das Nações Unidas de 2015.

Desta forma, o objetivo mais ambicioso do Acordo de Paris, de manter a subida das temperaturas abaixo dos 1,5ºC, é "quase certamente impossível e (este valor) poderia mesmo ser superado no início dos anos 2030", segundo estes cientistas.

Lusa

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.