sicnot

Perfil

Mundo

Fraca afluência às urnas às primeiras horas de votação em Cabo Verde

O atual Presidente de Cabo Verde e candidato à reeleição, Jorge Carlos Fonseca (ao centro), durante uma ação de rua durante a campanha eleitoral para as eleições presidenciais em Cabo Verde, Cidade da Praia

ENEIAS RODRIGUES/ LUSA

A votação para as eleições presidenciais em Cabo Verde arrancou hoje sem registo de problemas e com fraca afluência às urnas às primeiras horas do escrutínio, que irá eleger o chefe de Estado para os próximos cinco anos.

Em três locais de voto da cidade da Praia visitados pela agência Lusa, por volta das 09:00 horas (mais duas horas em Lisboa), uma hora depois da abertura das urnas, não havia qualquer fila para votar.

A votação decorria àquela hora ao ritmo de dois a três eleitores por mesa e, entre o pessoal destacado para as secções de voto, a ideia generalizada é de que os níveis de votação estão muito abaixo dos registados nas duas eleições anteriores (legislativas em março e autárquicas em setembro).

O cansaço associado ao facto de estas serem as terceiras eleições este ano e à perspetiva de reeleição do atual Chefe de Estado poderão ser alguns dos motivos que levam as autoridades eleitorais a recear altos níveis de abstenção.

O Presidente da República interino, Jorge Santos, foi a primeira alta autoridade nacional a votar.

Jorge Santos, que substitui Jorge Carlos Fonseca por imposição legal associada à sua candidatura, votou cerca das 09:15 (mais duas horas em Lisboa) no Liceu do Palmarejo, na cidade da Praia, tendo deixado à saída um apelo para que todos os cabo-verdianos vão votar.

"Ninguém pode ficar em casa. Hoje termina um ciclo eleitoral. É o ano de todas as eleições e é o ano de um grande esforço eleitoral. Todas as instituições estiveram implicadas para que todo esse ciclo fosse um sucesso a bem do país e da democracia", disse.

"Para a nossa democracia ser mais respeitada no plano nacional e no plano internacional é fundamental que haja uma boa taxa de votação", acrescentou, reforçando o apelo para que todos os cabo-verdianos, no país ou no estrangeiro, exerçam o direito de voto.

Nas eleições presidenciais estão aptos a votar 361.206 eleitores, 314.073 registados em território nacional e 47.133 no estrangeiro.

As urnas abriram às 08:00 (10:00 em Lisboa) e encerram às 18:00 (20:00 em Lisboa).

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.