sicnot

Perfil

Mundo

FARC dispostas a dar "um arranjo" no acordo de paz rejeitado

© Reuters

O líder dos guerrilheiros das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) disse esta segunda-feira que está disposto a dar "um arranjo" no acordo de paz assinado com o Governo, um documento rejeitado no domingo, em plebiscito, pelos colombianos.

O resultado do plebiscisto "enche-nos de entuasiasmo, torna-nos mais empenhados, porque há várias formas de os ler [os resultados] e temos de os analizar para ver o que é que precisa de ser arranjado", disse Rodrigo Londoño, mais conhecido por Timoleon "Timochenko" Jiménez, numa entrevista a partir de Havana, a cidade onde decorreram, nos últimos quatro anos, as negociações de paz.

O "não" ao acordo de paz assinado entre as FARC e o governo do presidente Juan Manuel Santos ganhou o plebiscito de domingo com 50,21 por cento dos votos, numa consulta em que a abstenção superou os 62% do eleitorado.

O histórico acordo, assinado na segunda-feira passada em Cartagena por Juan Manuel Santos e pelo comandante supremo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Rodrigo Londoño, prevê, entre mais de 150 pontos, prazos e locais para o desarmamento das guerrilhas.

Apesar de a constituição colombiana não exigir uma consulta ao eleitorado colombiano, o Presidente insistiu num plebiscito, que classificou como "provavelmente a decisão de voto mais importante" que cada um dos colombianos teria de tomar em toda a sua vida.

A pergunta colocada aos colombianos foi: "Apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?".

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.