sicnot

Perfil

Mundo

Rússia envia mísseis antiaéreos para a Síria

© POOL New / Reuters

A Rússia mobilizou hoje uma bateria de mísseis antiaéreos S-300 para a Síria. O objetivo, segundo o o Ministério da Defesa russo, é defender a sua base naval no porto de Tartus, no mar Mediterrâneo.

"O sistema destina-se a garantir a segurança da base naval de Tartus e dos navios de guerra na zona costeira", disse um porta-voz militar em Moscovo, Igor Konashenkov.

O general russo fez o anúncio um dia depois de os Estados Unidos terem suspendido a cooperação com a Rússia para tentar encontrar uma solução para o conflito sírio. No entanto, Konashenkov sublinhou que "os S-300 são um sistema exclusivamente defensivo e não representam uma ameaça para ninguém".

"Na mesma região já existe um sistema semelhante mas marítimo, os Fort [S-300F], que se encontra a bordo do principal navio da Frota do Mar Negro, o cruzador 'Moskva'", acrescentou.

Konashenkov manifestou a sua surpresa com o facto de a mobilização da bateria de mísseis S-300 ter tido tanta repercussão na imprensa norte-americana, que noticiou que este tipo de mísseis pode intercetar qualquer ataque de aviões dos EUA contra a Síria.

A imprensa ocidental recordou que nem o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) nem a Frente al Nusra (Frente da Conquista do Levante) dispõem de aviões que motivem a instalação deste tipo de sistemas antiaéreos.

O exército russo já tinha mobilizado em novembro mísseis antiaéreos S-400 na Síria, na altura para proteger os seus aviões na base aérea de Latakia.

Recentemente, o ministro da Defesa russo, Serguei Shoigu, anunciou que o único porta-aviões da Armada russa, o "Almirante Kuznetsov", partirá em breve para o Mediterrâneo Oriental, área limítrofe com a Turquia e a Síria.

Os Estados Unidos acusaram a Rússia e o regime de Bashar al-Assad de bombardear indiscriminadamente a cidade de Alepo (a segunda cidade do país), bem como de ter atacado objetivos civis e uma coluna humanitária do Crescente Vermelho.

Com Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.