sicnot

Perfil

Mundo

ONU pode concluir escolha de secretário-geral hoje

Os membros do Conselho de Segurança da ONU votam hoje para escolher o novo secretário-geral da organização, que poderá ser o português António Guterres, até agora favorito, num processo que pode ficar logo encerrado.

Após cinco votações preparatórias, em que os votos dos 15 membros do Conselho de Segurança não eram discriminados -- e que apontavam para Guterres como sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon -, desta vez, os votos dos cinco membros permanentes (Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido) serão conhecidos, ficando exposto qualquer veto.

Embora se trate de um processo com poucas regras -- o que dá aos membros do Conselho de Segurança, sobretudo aos permanentes, muita margem para decidir os próximos passos -, à partida, se algum dos cinco vetar algum dos nomes, esse candidato acabará por abandonar a corrida ao cargo.

Depois de a Rússia ter na terça-feira anunciado que apoiará uma mulher da Europa de Leste -- requisitos que só duas candidatas búlgaras preenchem, Irina Bokova e Kristalina Geogieva -, mesmo que Guterres obtenha o apoio de nove países e nenhum veto dos membros permanentes, o órgão executivo das Nações Unidas pode decidir realizar mais votações.

António Guterres venceu as cinco primeiras votações destacado, sendo o único que ultrapassou o mínimo de nove apoios, mas teve sempre entre dois e três votos "desencoraja".

Se mantiver o mesmo resultado e um dos votos negativos pertencer a um dos cinco permanentes, o seu nome não pode ser sequer recomendado.

A entrada da búlgara Kristalina Georgieva na corrida, na semana passada, também pode levar a mais rondas de votações, necessárias para clarificar o posicionamento de todos os países.

Num ano em que a ONU tentou trazer transparência ao processo, realizando audiências públicas, entrevistas e debates com os 12 candidatos iniciais, a entrada tardia da vice-presidente da Comissão Europeia foi recebida com desconfiança por alguns países e entusiasmo por outros.

Há dez anos, quando Ban Ki-moon foi escolhido, a primeira votação deste tipo foi, também, a última.

Nesse dia, 02 de outubro de 2006, Ban Ki-moon recebeu 14 votos "encoraja" e apenas um "sem opinião", o que precipitou a desistência de todos os outros candidatos no dia seguinte.

Uma semana mais tarde, a 09 de outubro, o Conselho de Segurança aprovou por aclamação a resolução que recomendava o nome do sul-coreano.

Lusa

  • A primeira votação "a sério" para o próximo secretário-geral da ONU
    1:42

    Mundo

    Esta quarta-feira, o Conselho de Segurança vai votar no nome do futuro secretário-geral das Nações Unidas. O escrutínio, em que os membros permanentes têm direito de veto, vai determinar os próximos passos. António Guterres foi o favorito nas cinco votações informais. Até ao momento, todos os cenários estão em aberto.

  • Costa considera Guterres a pessoa mais qualificada para liderar a ONU
    0:59

    País

    O primeiro-ministro António Costa considera António Guterres a pessoa mais qualificada para assumir a liderança das Nações Unidas.Isto na véspera de mais uma votação na ONU.. a primeira com os votos dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança com direito de veto- a China, os Estados Unidos, a França, o Reino Unidos e a Rússia- mais os 10 países eleitos pla assembleia geral da ONU para mandados de dois anos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.