sicnot

Perfil

Mundo

Vão ser precisos 69 milhões de novos professores até 2030

Quase 69 milhões de novos professores são precisos no mundo para que seja alcançado o objetivo de fornecer educação primária e secundária universal e de qualidade até 2030, segundo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, alerta hoje a UNESCO.

Num comunicado emitido no Dia Mundial do Professor, que hoje se assinala, a agência da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) indica, citando números do seu Instituto de Estatística, que nos próximos 14 anos serão necessários 24,4 milhões de professores do ensino primário e 44,4 milhões de docentes do ensino secundário.

A região com o maior fosso entre o número de professores necessários e o de docentes disponíveis é a África Subsaariana, onde serão necessários mais 17 milhões de professores primários e do secundário até 2030.

A África Subsaariana, onde mais de 70% dos países já enfrentam séria escassez de professores primários e onde 90% dos Estados têm uma grave carência de professores do ensino secundário, é também a região com maior crescimento da população em idade escolar.

O sul da Ásia tem o segundo maior fosse, especialmente ao nível secundário: Com apenas 65% dos jovens da região atualmente a frequentar o ensino secundário, o rácio de aluno por professor é de 29:1 (dados de 2014) -- muito acima da média global de 18:1.

O sul da Ásia precisa de 15 milhões de novos professores até 2030, a grande maioria (11 milhões) no nível secundário.

Mas há outras partes do mundo que enfrentam graves problemas: A guerra na Síria e no Iraque destruiu grande parte dos sistemas educativos nos dois países e teve um efeito severo nos países vizinhos, que tentam lidar com uma entrada massiva de crianças e jovens refugiados a precisar de educação.

Numa mensagem conjunta citada no comunicado, a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, Guy Ryder, o diretor executivo da UNICEF, Anthony Lake, a administradora do programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Helen Clark, e o secretário-geral da Education International, uma federação internacional de sindicatos de professores, sublinham a necessidade de ação urgente.

"Os professores não ajudam apenas a desenhar o futuro individual de milhões de crianças, também ajudam a desenhar um mundo melhor para todos. Como podemos recrutar novos professores e atraí-los para a vital profissão docente quando em todo o mundo há tantos que estão mal formados, mal pagos e subvalorizados?", escrevem.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), definidos em 2015 para suceder aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, preveem, entre outros, uma educação de qualidade inclusiva e equitativa para todos até 2030.

Numa altura em que se estima que 263 milhões de crianças e jovens estejam excluídos do ensino primário e secundário em todo o mundo, os ODS exigem professores mais qualificados e mais apoio da comunidade internacional para formar professores nos países em desenvolvimento.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.