sicnot

Perfil

Mundo

Aviões russos voltam a bombardear Alepo e fazem 12 mortos

Uncredited

Pelo menos 12 civis morreram esta terça-feira no ataque aéreo russo mais violento dos últimos dias aos bairros rebeldes de Alepo, enquanto cinco crianças foram mortas num ataque rebelde a uma escola no sul da Síria.

Após uma calma relativa durante o fim de semana, aviões russos voltaram a bombardear intensivamente os bairros rebeldes da segunda cidade da Síria, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

O ataque acontece num contexto de impasse diplomático total, com a comunidade internacional incapaz de se entender acerca de uma iniciativa que permita parar os combates.

Os ataques russos em Alepo que mataram pelo menos 12 civis, entre os quais quatro crianças, foram "os mais violentos desde que o regime anunciou uma redução dos bombardeamentos à parte oriental de Alepo" a 5 de outubro, indicou Rami Abdel Rahmane, diretor do OSDH, adiantando que "há ainda pessoas sob os escombros".

Desde o início a 22 de setembro da grande ofensiva do exército em Alepo, as forças pró-regime progridem rua a rua para tentarem recuperar os bairros leste de Alepo, controlados pelos rebeldes desde 2012 e sitiados há meses.

No lado governamental da cidade foram mortas quatro pessoas e 14 outras ficaram feridas num ataque dos rebeldes com rockets ao bairro de Hamdaniyé.

No sul da Síria, foram cinco os estudantes mortos num ataque rebelde a uma escola primária da cidade de Deraa, indicaram os media oficiais e o OSDH, que indicou igualmente 25 feridos.

Os grupos rebeldes controlam a maior parte da província de Deraa, mas a cidade capital com o mesmo nome, considerada como o local de origem da revolução síria de 2011, é controlada sobretudo pelas forças pró-governamentais.

Mais de 300.000 pessoas foram mortas na Síria desde o início do conflito em 2011 e mais de metade da população foi obrigada a abandonar as suas casas.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.