sicnot

Perfil

Mundo

Secretário da Segurança do Rio de Janeiro demite-se após confrontos em favela

O secretário da Segurança do estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, criador do plano de pacificação das favelas, pediu esta terça-feira a demissão depois de confrontos na favela do Pavão-Pavãozinho em que morreram três pessoas.

Imagens transmitidas pelas televisões brasileiras mostraram que durante os confrontos, durante uma operação policial, de que resultaram também oito feridos, o bairro de Copacabana ficou sob fogo cruzado.

Moradores relataram em vídeos publicados nas redes socais que o medo espalhou-se para outras áreas da zona Sul do Rio de Janeiro.

José Mariano Beltrame deverá deixar o cargo de secretário da Segurança depois da segunda volta das eleições municipais, marcadas para 30 de outubro.

Oficial da Polícia Federal, José Mariano Beltrame foi o secretário de Segurança a permanecer mais tempo em funções no estado do Rio de Janeiro.

No cargo desde janeiro de 2007, Beltrame foi responsável pela implantação do projeto de Polícia Pacificadora nas principais favelas do Rio de Janeiro.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.