sicnot

Perfil

Mundo

"Os Simpsons" também previram o vencedor do Nobel da Economia e o da Química

As previsões futuristas de uma das séries de animação mais conhecidas de todos os tempos já não são novidade. Depois de terem previsto uma incursão de Trump na vida política, o aparecimento do vírus Ébola e o escândalo dos Panama Papers. Os Simpsons previram, em 2010, os vencedores do Nobel da Química e da Economia de 2016.

O episódio remonta a 2010. Lisa, Milhouse, Martin e Data fazem apostas de quem serão os vencedores do Nobel. Os nomes de Bengt Holmström e Bernhard Fering, agora premiados com os prémios Nobel da Economia e Química de 2016, são aí mencionados.

O MIT (Instituto Tecnológico de Masachusetts), onde Holmström faz as suas pesquisas, já celebrou o prémio e aproveitou para referir o facto de Milhouse já ter apostado que o professor Holmström iria ganhar um Nobel.

Aliás, há outra previsão de "Os Simpsons" a que devemos estar atentos. Em 2000, o maior conjunto de seres amarelos de todo o planeta previu uma presidência para Donald Trump. Será que "Os Simpsons" vão voltar a acertar? A resposta só será possível de saber no próximo dia 8 de novembro, data em que se realizam as eleições norte-americanas.

  • Incêndios causaram 76 feridos no espaço de uma semana
    0:34

    País

    No espaço de uma semana, 76 pessoas ficaram feridas, incluindo seis com gravidade, durante os incêndios florestais. Na conferência de imprensa desta tarde, a Proteção Civil explicou que há cinco planos municipais de emergência ativos por causa das chamas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.