sicnot

Perfil

Mundo

Haiti é o país com mais mortes devido a castástrofes naturais nos últimos 20 anos

O Haiti é o país onde houve mais mortes nos últimos 20 anos relacionadas com catástrofes naturais: 229.699, segundo um relatório das Nações Unidas hoje publicado.

As ligações entre pobreza e catástrofes naturais são "muito claras" no caso do Haiti, disse o representante especial das Nações Unidas para a redução dos riscos de catástrofe, Robert Glasser, numa conferência de imprensa.

Em todo o mundo, morreram cerca de 1,35 milhões de pessoas por causa de catástrofes naturais entre 1996 e 2015, segundo o relatório.

A seguir ao Haiti, os países com mais mortes são a Indonésia (182.136), afetada pelo 'tsunami' no Índico em 2004, e a Birmânia (139.515), atingida pelo ciclone Nargis em 2008.

Surgem depois China, Índia, Paquistão, Rússia, Sri Lanka, Irão e Venezuela.

O documento contabiliza sete mil catástrofes naturais no mesmo período e mostra que os sismos e os maremotos ('tsunamis') são os desastres mais mortíferos, seguindo-se aqueles que estão relacionados com o clima, precisa a ONU, num comunicado.

Os países mais ricos têm "enormes perdas económicas" por causa das catástrofes naturais, mas nos países mais pobres "as pessoas pagam com as suas vidas", sublinha o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-mon, no mesmo comunicado.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.