sicnot

Perfil

Mundo

Nobel da Medicina pede a ambientalistas que parem de falar contra transgénicos

O Nobel da Medicina de 1993, o bioquímico inglês Richard John Roberts, pediu esta quinta-feira aos ecologistas para deixarem de "assustar o mundo" com mensagens contra os alimentos transgénicos, salientando que nunca provocaram qualquer problema de saúde.

Richard John Roberts, responsável pela carta de 110 prémios Nobel a apoiarem o cultivo de transgénicos, participou hoje no primeiro Congresso Internacional sobre Pobreza e Fomes, organizado pela Universidade Católica de Valência, que vai reunir até sábado peritos naquelas áreas.

Num encontro com os jornalistas, o prémio Nobel da Medicina disse que o chegou o momento de o "Greenpeace e os partidos verdes deixarem de assustar todo o mundo" com as suas mensagens contra os transgénicos.

Uma mensagem, que segundo o bioquímico, é muito boa para aquelas organizações e partidos arranjarem fundos, mas que "faz muito mal aos países em vias de desenvolvimento e com fome".

Richard John Roberts fundamentou as suas afirmações na investigação científica e nos últimos 25 anos.

"Levamos 25 anos a consumir alimentos transgénicos ou animais que consumiram alimentos transgénicos e não há registo de um único incidente de saúde relacionado com aquele consumo", nem no meio ambiente, acrescentou.

Lusa

  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.