sicnot

Perfil

Mundo

Jadon e Anias, a história de uma separação feliz

As duas crianças partilhavam uma veia sanguínea e algum tecido cerebral, uma situação que acontece, em média, uma vez a cada 10 milhões de nascimentos.

Facebook

Dois irmãos gémeos siameses norte-americanos, que viveram durante 13 meses unidos pelas cabeças, foram esta sexta-feira separados numa operação que durou várias horas mas terminou com sucesso.

Jadon e Anias Mcdonald nasceram unidos pelas cabeças em setembro de 2015. Uma união física indesejada, que terminou graças aos esforços de uma das equipas de cirurgia do hospital pediátrico do Centro Médico de Montefiore, no Bronx.

A operação de separação durou mais de 16 horas e foi seguida por cirurgias de reconstrução dos crânios.

As duas crianças partilhavam uma veia sanguínea e algum tecido cerebral, uma situação que acontece, em média, uma vez a cada 10 milhões de nascimentos.

Apesar dos riscos de potenciais doenças ou deficiências mentais, os dois irmãos estão saudáveis e vão agora ficar entubados pelo menos durante uma semana. Seguem-se meses de recuperação e adaptação a uma nova realidade.

A operação, que custou cerca de 2,5 milhões de dólares, foi financiada pela seguradora e, numa ação de crowdfunding, uma página dedicada ao caso dos gémeos conseguiu angariar mais de 170 mil dólares para apoiar a família.

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".