sicnot

Perfil

Mundo

Jadon e Anias, a história de uma separação feliz

As duas crianças partilhavam uma veia sanguínea e algum tecido cerebral, uma situação que acontece, em média, uma vez a cada 10 milhões de nascimentos.

Facebook

Dois irmãos gémeos siameses norte-americanos, que viveram durante 13 meses unidos pelas cabeças, foram esta sexta-feira separados numa operação que durou várias horas mas terminou com sucesso.

Jadon e Anias Mcdonald nasceram unidos pelas cabeças em setembro de 2015. Uma união física indesejada, que terminou graças aos esforços de uma das equipas de cirurgia do hospital pediátrico do Centro Médico de Montefiore, no Bronx.

A operação de separação durou mais de 16 horas e foi seguida por cirurgias de reconstrução dos crânios.

As duas crianças partilhavam uma veia sanguínea e algum tecido cerebral, uma situação que acontece, em média, uma vez a cada 10 milhões de nascimentos.

Apesar dos riscos de potenciais doenças ou deficiências mentais, os dois irmãos estão saudáveis e vão agora ficar entubados pelo menos durante uma semana. Seguem-se meses de recuperação e adaptação a uma nova realidade.

A operação, que custou cerca de 2,5 milhões de dólares, foi financiada pela seguradora e, numa ação de crowdfunding, uma página dedicada ao caso dos gémeos conseguiu angariar mais de 170 mil dólares para apoiar a família.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão