sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista que salvou milhares de pessoas na 2ª Guerra Mundial recebe presente especial

A jornalista que deu a notícia do início da 2ª Guerra Mundial fez 105 anos, na passada segunda-feira. Antes de se tornar jornalista, Clare Hollingworth ajudou a salvar milhares de pessoas na Alemanha nazi. Quase 80 anos depois, uma das pessoas salvas por Clare fez questão de enviar uma mensagem especial.

Clare Hollingworth em 2016

Clare Hollingworth em 2016

© Bobby Yip / Reuters

Clare Hollingworth em 2016

Clare Hollingworth em 2016

© Bobby Yip / Reuters

Margo Drotar tinha quatro anos quando ela e a mãe foram detidas na Polónia, em 1939. A família de comunistas da Hungria tentava fugir ao avanço de Hitler na Europa, mas acabou por ser apanhada. Após cinco dias sem comer numa cela, a mãe de Margo segurou-a por cima das grades e pediu que chorasse. "Uma mulher passou enquanto eu chorava", Margot disse à BBC, agora com 81 anos.

A mulher que passou entrou em contacto com as forças de resistência da prisão Katowice, na Polónia, conseguindo que Margo e a mãe fossem levadas às escondidas para um apartamento, onde foram entrevistadas por uma mulher inglesa.

Clare Hollingworth em 1932

Clare Hollingworth em 1932

HOLLINGWORTH FAMILY

Em 1938, um ano antes de ser declarada guerra, milhares de refugiados passavam as fronteiras em busca de asilo. Esta crise migratória levou Clare Hollingworth - na altura com 27 anos - até à Áustria, numas supostas férias de natal, onde conseguiu um visto nazi. Algo que permitiu que a mulher fosse voluntária numa missão humanitária muito perigosa: a cidade polaca de Katowice.

Clare ficou encarregue de centenas - mais tarde, milhares - de judeus, comunistas e outras minorias perseguidas. Só aí começou a sua verdadeira missão: arranjar vistos ingleses para estas centenas de pessoas, assim como comida e casa.

Estima-se que entre março e julho de 1939, Clare ajudou cerca de 3 mil pessoas a fugir para Inglaterra. Uma destas pessoas foi a Margo, que conseguiu partir com a sua mãe no último navio da Polónia para Inglaterra antes de a guerra começar.

Margo Drotar em Londres, 1944

Margo Drotar em Londres, 1944

STANYER FAMILY

Quase 80 anos depois, em agosto deste ano, a família de Margo descobriu a verdadeiro papel que Clare teve na fuga da mãe e da filha. A descoberta só foi possibilitada devido à biografia de Clare, escrita pelo neto, Patrick Garrett. A investigação do neto levou-o a descobrir gerações de pessoas a viver em Inglaterra, que chegaram até ali pelas mãos da avó.

Clare Hollingworth na Aústria, 1938

Clare Hollingworth na Aústria, 1938

HOLLINGWORTH FAMILY

Depois do trabalho voluntário na Polónia, Clare voltou a Inglaterra e começou a trabalhar no Daily Telegraph, onde se tornou correspondente de guerra.

Com 105 anos e a viver em Hong Kong, Clare foi surpreendida com um vídeo muito especial: Margo a desejar o feliz aniversário à jornalista. "Feliz aniversário, querida Clare. Vou pensar em ti para sempre. Muito obrigada por aquilo que me deste e por todas as outras pessoas que ajudaste. Obrigada."

Margo Stanyer - antes, Drotar - vive em Milton Keynes, em Inglaterra, tem quatro filhos, nove netos e um bisneto.

 Margo Drotar e a filha em 1960

Margo Drotar e a filha em 1960

STANYER FAMILY

  • Habitantes de Almeida barricaram-se durante seis horas em agência da CGD
    2:31

    País

    Perto de 100 pessoas estiveram esta quarta-feira barricadas na agência da Caixa Geral de Depósitos em Almeida, distrito da Guarda. O protesto contra o encerramento da agência só terminou quase seis horas depois, com a garantia que os autarcas serão recebidos na próxima terça-feira pela Administração do banco público. 

  • Carro que atropelou adepto encontrado na casa de um amigo do suspeito
    2:18

    Desporto

    O carro que terá atropelado o adepto italiano que morreu junto ao Estádio da Luz foi encontrado esta terça-feira, numa garagem na Amadora, na casa de um amigo do suspeito. Trata-se de um homem na casa dos 30 anos que pertence à claque No Name boys e é agora procurado pela Polícia Judiciária.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Web Summit inaugura primeiro escritório fora da Irlanda em Lisboa
    1:58

    Web Summit

    A Web Summit inaugurou em Lisboa o primeiro escritório fora da Irlanda, que vai dar emprego a 20 pessoas, algumas portuguesas. O próximo objectivo é alargar eventos a outros pontos do país. A conferência internacional regressa a Lisboa entre 6 e 9 de novembro e a organização espera ter 60 mil participantes.

  • Trump volta a apelar ao fim do programa nuclear de Pyongyang
    1:43

    Mundo

    Donald Trump voltou a apelar à Coreia do Norte para que abandone o programa nuclear e opte pela via do diálogo. O Presidente dos Estados Unidos chamou à Casa Branca, para uma reunião extraordinária, todos os senadores norte-americanos para serem informados sobre a atual crise com a Coreia do Norte.

  • Ivanka Trump vaiada por defender o pai durante debate sobre igualdade de género
    1:51

    Mundo

    Com o propósito de criar pontes com Donald Trump, a chanceler alemã Angela Merkel convidou a filha mais velha do Presidente norte-americano para participar numa cimeira. No entanto as coisas não correram muito bem e Ivanka Trump foi vaiada pela audiência por ter defendido o pai quando o assunto era a igualdade de género. 

  • Papa apelou à revolução da ternura
    0:52
  • Irmã da mulher mais pesada do mundo acusa hospital de mentir

    Mundo

    A irmã da mulher egípcia que se acreditava ser a mais pesada do mundo acusou os médicos de mentirem acerca da sua perda de peso. No entanto, o hospital que realizou a cirurgia bariátrica já respondeu às acusações, defendendo que a mulher pesa agora 172 quilos.

  • Diário de John F. Kennedy vendido por 660 mil euros

    Mundo

    Um diário escrito por John F. Kennedy quando jovem, durante uma curta passagem pelo jornalismo, depois da II Guerra Mundial, foi vendido por mais de 700 mil dólares (642 mil euros), informou esta quarta-feira uma casa de leilões.