sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista que salvou milhares de pessoas na 2ª Guerra Mundial recebe presente especial

A jornalista que deu a notícia do início da 2ª Guerra Mundial fez 105 anos, na passada segunda-feira. Antes de se tornar jornalista, Clare Hollingworth ajudou a salvar milhares de pessoas na Alemanha nazi. Quase 80 anos depois, uma das pessoas salvas por Clare fez questão de enviar uma mensagem especial.

Clare Hollingworth em 2016

Clare Hollingworth em 2016

© Bobby Yip / Reuters

Clare Hollingworth em 2016

Clare Hollingworth em 2016

© Bobby Yip / Reuters

Margo Drotar tinha quatro anos quando ela e a mãe foram detidas na Polónia, em 1939. A família de comunistas da Hungria tentava fugir ao avanço de Hitler na Europa, mas acabou por ser apanhada. Após cinco dias sem comer numa cela, a mãe de Margo segurou-a por cima das grades e pediu que chorasse. "Uma mulher passou enquanto eu chorava", Margot disse à BBC, agora com 81 anos.

A mulher que passou entrou em contacto com as forças de resistência da prisão Katowice, na Polónia, conseguindo que Margo e a mãe fossem levadas às escondidas para um apartamento, onde foram entrevistadas por uma mulher inglesa.

Clare Hollingworth em 1932

Clare Hollingworth em 1932

HOLLINGWORTH FAMILY

Em 1938, um ano antes de ser declarada guerra, milhares de refugiados passavam as fronteiras em busca de asilo. Esta crise migratória levou Clare Hollingworth - na altura com 27 anos - até à Áustria, numas supostas férias de natal, onde conseguiu um visto nazi. Algo que permitiu que a mulher fosse voluntária numa missão humanitária muito perigosa: a cidade polaca de Katowice.

Clare ficou encarregue de centenas - mais tarde, milhares - de judeus, comunistas e outras minorias perseguidas. Só aí começou a sua verdadeira missão: arranjar vistos ingleses para estas centenas de pessoas, assim como comida e casa.

Estima-se que entre março e julho de 1939, Clare ajudou cerca de 3 mil pessoas a fugir para Inglaterra. Uma destas pessoas foi a Margo, que conseguiu partir com a sua mãe no último navio da Polónia para Inglaterra antes de a guerra começar.

Margo Drotar em Londres, 1944

Margo Drotar em Londres, 1944

STANYER FAMILY

Quase 80 anos depois, em agosto deste ano, a família de Margo descobriu a verdadeiro papel que Clare teve na fuga da mãe e da filha. A descoberta só foi possibilitada devido à biografia de Clare, escrita pelo neto, Patrick Garrett. A investigação do neto levou-o a descobrir gerações de pessoas a viver em Inglaterra, que chegaram até ali pelas mãos da avó.

Clare Hollingworth na Aústria, 1938

Clare Hollingworth na Aústria, 1938

HOLLINGWORTH FAMILY

Depois do trabalho voluntário na Polónia, Clare voltou a Inglaterra e começou a trabalhar no Daily Telegraph, onde se tornou correspondente de guerra.

Com 105 anos e a viver em Hong Kong, Clare foi surpreendida com um vídeo muito especial: Margo a desejar o feliz aniversário à jornalista. "Feliz aniversário, querida Clare. Vou pensar em ti para sempre. Muito obrigada por aquilo que me deste e por todas as outras pessoas que ajudaste. Obrigada."

Margo Stanyer - antes, Drotar - vive em Milton Keynes, em Inglaterra, tem quatro filhos, nove netos e um bisneto.

 Margo Drotar e a filha em 1960

Margo Drotar e a filha em 1960

STANYER FAMILY

  • "A Assembleia tem tudo para correr mal"
    5:09
  • "Até ao dia 23 muitas coisas boas e más vão acontecer"
    2:24
  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30