sicnot

Perfil

Mundo

UE afirma que bombardeamento em Alepo pode ser crime de guerra

© Abdalrhman Ismail / Reuters

A União Europeia condenou esta segunda-feira veementemente a Rússia pelo bombardeamento da cidade síria de Alepo, afirmando que os ataques aéreos de Moscovo e Damasco poderão ser considerados crimes de guerra.

"Desde o início da ofensiva pelo regime e seus aliados, nomeadamente a Rússia, a intensidade e escala do bombardeamento aéreo do leste de Alepo é claramente desproporcionada", sustentaram os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE em comunicado após conversações no Luxemburgo.

"O ataque deliberado a hospitais, profissionais de saúde, escolas e infraestruturas essenciais, bem como o uso de bombas-barril, bombas de fragmentação e armas químicas, constitui uma catastrófica escalada do conflito e poderá ser considerado crime de guerra", frisaram.

Os ministros europeus disseram que vão exercer pressão para que se avance com o aumento de sanções contra o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, mas não chegaram a ameaçar tomar medidas contra a Rússia por causa do conflito.

A referência a crimes de guerra poderá ser significativa, já que, se houver pressão, o caso poderá ser levado perante o Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia.

A nota de imprensa refere igualmente a "convicção da UE de que a situação na Síria deverá ser levada ao TPI e reitera o seu apelo ao Conselho de Segurança da ONU para tomar medidas a esse respeito".

Os MNE europeus também apelaram com urgência para um cessar-fogo imediato em Alepo para permitir que a ajuda humanitária chegue a antiga cidade da linha da frente que tem sido impiedosamente atacada pelas forças de Assad e, depois, pela Rússia, sua aliada de longa data, desde setembro do ano passado.

A UE "condena veementemente os ataques excessivos e desproporcionados do regime e seus aliados", lê-se no documento.

Quando a declaração dos chefes da diplomacia europeus foi divulgada, Moscovo anunciou um cessar-fogo de oito horas na quinta-feira, roubando o protagonismo da batalha diplomática.

Os ministros da UE afirmaram que o bloco "acredita firmemente que não há solução militar para o conflito" e instou diretamente a Rússia a acordar um cessar-fogo para abrir caminho a novas negociações de paz.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse horas antes que os ministros ponderariam impor mais sanções à Síria, mas excluiu a imposição de medidas restritivas à Rússia.

O comunicado não fez referência a esta hipótese, embora o Reino Unido e os Estados Unidos tenham declarado no domingo, em conversações em Londres, que medidas contra Moscovo deveriam ser consideradas.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.