sicnot

Perfil

Mundo

UE afirma que bombardeamento em Alepo pode ser crime de guerra

© Abdalrhman Ismail / Reuters

A União Europeia condenou esta segunda-feira veementemente a Rússia pelo bombardeamento da cidade síria de Alepo, afirmando que os ataques aéreos de Moscovo e Damasco poderão ser considerados crimes de guerra.

"Desde o início da ofensiva pelo regime e seus aliados, nomeadamente a Rússia, a intensidade e escala do bombardeamento aéreo do leste de Alepo é claramente desproporcionada", sustentaram os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE em comunicado após conversações no Luxemburgo.

"O ataque deliberado a hospitais, profissionais de saúde, escolas e infraestruturas essenciais, bem como o uso de bombas-barril, bombas de fragmentação e armas químicas, constitui uma catastrófica escalada do conflito e poderá ser considerado crime de guerra", frisaram.

Os ministros europeus disseram que vão exercer pressão para que se avance com o aumento de sanções contra o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, mas não chegaram a ameaçar tomar medidas contra a Rússia por causa do conflito.

A referência a crimes de guerra poderá ser significativa, já que, se houver pressão, o caso poderá ser levado perante o Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia.

A nota de imprensa refere igualmente a "convicção da UE de que a situação na Síria deverá ser levada ao TPI e reitera o seu apelo ao Conselho de Segurança da ONU para tomar medidas a esse respeito".

Os MNE europeus também apelaram com urgência para um cessar-fogo imediato em Alepo para permitir que a ajuda humanitária chegue a antiga cidade da linha da frente que tem sido impiedosamente atacada pelas forças de Assad e, depois, pela Rússia, sua aliada de longa data, desde setembro do ano passado.

A UE "condena veementemente os ataques excessivos e desproporcionados do regime e seus aliados", lê-se no documento.

Quando a declaração dos chefes da diplomacia europeus foi divulgada, Moscovo anunciou um cessar-fogo de oito horas na quinta-feira, roubando o protagonismo da batalha diplomática.

Os ministros da UE afirmaram que o bloco "acredita firmemente que não há solução militar para o conflito" e instou diretamente a Rússia a acordar um cessar-fogo para abrir caminho a novas negociações de paz.

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse horas antes que os ministros ponderariam impor mais sanções à Síria, mas excluiu a imposição de medidas restritivas à Rússia.

O comunicado não fez referência a esta hipótese, embora o Reino Unido e os Estados Unidos tenham declarado no domingo, em conversações em Londres, que medidas contra Moscovo deveriam ser consideradas.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18