sicnot

Perfil

Mundo

França insiste que Londres deve cumprir "dever moral" para com menores de Calais

© Reuters

O ministro do Interior francês voltou a pedir ao Reino Unido que cumpra o seu dever moral relativamente aos menores da chamada "selva" de Calais, no norte de França, num artigo publicado hoje no jornal britânico The Guardian.

"Os nossos países têm de agir juntos para abrigar aquelas pessoas que se encontram na sua fronteira e que claramente precisam de proteção, acima de tudo os mais vulneráveis entre eles. O Governo britânico comprometeu-se a ajudar a resolver a crise acolhendo alguns menores não acompanhados, a maioria dos quais expressou a vontade de ir para o Reino Unido", recorda Bernard Cazeneuve.

Neste sentido, acrescenta, "precisa agora de intensificar este esforço para que cada menor não acompanhado possa beneficiar de uma proteção justa e duradoura".

"As primeiras transferências de jovens com familiares no Reino Unido começam esta semana, enquanto a França concordou em aceitar 13 mil refugiados. O Governo britânico precisa agora de intensificar os seus esforços para identificar e realocar as crianças migrantes", diz ainda o ministro francês.

Nem Paris nem Londres, sublinha, "escolheram deixar as pessoas com direito ao estatuto de refugiado ao frio e na lama, mulheres e crianças sobretudo".

"Ao longo do ano passado, 6.000 pessoas foram transferidas dos acampamentos de Calais e de Dunkirk para 164 centros de acolhimento que o Governo francês abriu em todo o país, com objetivo de integrar os migrantes nas suas cidades de acolhimento", lembra, defendendo que este método tem provado funcionar, sendo o seu sucesso a razão pela qual o Governo francês decidiu desmantelar definitivamente o acampamento de Calais.

"Porque partilham uma responsabilidade moral em relação a eles [migrantes], os Governos da França e do Reino Unido estão determinados em serem bem-sucedidos com esta operação em conjunto", afirma o ministro.

Para Bernard Cazeneuve, essa "operação humanitária" tem de ser apoiada por medidas a longo prazo pensadas para tornar "impenetrável" a fronteira de Calais e de outros pontos do Canal.

Segundo o ministro francês, graças à cooperação entre os serviços de polícia de ambos os países, 33 redes de imigração clandestina que traficavam pessoas para o Reino Unido foram desmanteladas em França desde o início do ano.

"A longo prazo, nem o Reino Unido nem a França podem abdicar das nossas responsabilidades relativamente à crise migratória no nosso continente", apontou.

Segundo um recente balanço das autoridades francesas, facultado no início do mês, há entre 5.684 e 6.486 imigrantes no acampamento de Calais.

A maioria é de países pobres ou em conflito, como Afeganistão, Eritreia ou Somália, e o seu objetivo é conseguir atravessar o Canal da Mancha e entrar no Reino Unido.

Cerca de 1.300 menores foram contabilizados no acampamento de Calais, dos quais 500 afirmam ter família no Reino Unido.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Donald Trump culpa imigrantes por ataque que nunca existiu
    1:01
  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.