sicnot

Perfil

Mundo

Mulher de Bashar al-Assad recusou "ofertas" para sair do país

© Sana Sana / Reuters

A mulher do Presidente sírio Bashar al-Assad disse ter recusado "ofertas" para deixar a Síria, em entrevista à televisão pública Russia24 difundida esta terça-feira e a primeira que concede a um media estrangeiro desde o início da guerra em 2011.

"Nunca pensei em estar noutro local", disse Asma Al-Assad em inglês numa resposta à jornalista que lhe perguntou se alguém a tinha "aconselhado" a partir.

"Sim, tive a ocasião de deixar a Síria, digamos de fugir da Síria. Estas ofertas incluíam garantias de segurança e de proteção para os meus filhos, mesmo uma segurança financeira", prosseguiu Asma al-Assad.

"Não é preciso ser iluminado para saber qual era o verdadeiro objetivo dessas gentes, trata-se de uma tentativa deliberada de sabotar a confiança do povo face ao seu presidente", precisou numa referência ao seu marido.

Designada "Rosa do Deserto" pela revista norte-americana Vogue e de "luz" por um semanário francês antes da revolta contra o regime liderado pelo seu marido, Asma al-Assad, 41 anos, foi fortemente criticada pelo seu silêncio face à repressão e raramente surgiu em público.

Desde há dois anos que os 'media' oficiais sírios a exibem de forma mais regular, a receber feridos de guerra, em orfanatos ou em eventos sociais ou educativos.

Nos primeiros anos da guerra circularam rumores sem fundamento de que teria abandonado a Síria com os seus filhos em direção a Londres, onde nasceu e se formou em ciência de computadores e literatura francesa, ou para a Rússia, que apoia o regime de Damasco.

Lusa

  • "A experiência do meu Governo termina aqui"
    0:36
  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.