sicnot

Perfil

Mundo

Rússia prolonga pausa humanitária para 11 horas em Alepo na Síria

© Abdalrhman Ismail / Reuters

O exército russo prolongou esta quarta-feira para 11 horas a "pausa humanitária" que na quinta-feira deverá permitir a retirada de civis e de rebeldes da cidade de Alepo, norte da Síria, alvo desde há semanas de intensos bombardeamentos aéreos.

De início, o cessar-fogo anunciado pela Rússia devia prolongar-se por oito horas, mas segundo o estado-maior do exército russo foi alargado para 11 horas "a pedido de organizações internacionais".

O cessar-fogo deve assim começar na quinta-feira às 08:00 locais (06:00 em Lisboa) e terminar às 19:00 locais (17:00 em Lisboa), indicou o general Serguei Roudskoi.

Desde a manhã de terça-feira que os aviões russos e sírios "não se aproximam a menos de 10 quilómetros de Alepo" na perspetiva de instauração desta trégua.

Na manhã de quinta-feira vão ser estabelecidos oito corredores humanitários, incluindo seis para a retirada dos civis e dois para a saída dos rebeldes armados, precisou a mesma fonte.

"Se o desejarem", os habitantes doentes ou feridos que abandonem os bairros rebeldes "podem ser hospitalizados em Alepo-oeste", indicou Roudskoi, precisando que "tudo está preparado para serem assistidos".

Situados essencialmente perto de escolas e de mesquitas, os pontos de entrada dos corredores humanitários de retirada da cidade serão vigiados por aviões não tripulados ('drones'), segundo o general russo.

Nove autocarros e sete ambulâncias serão enviados para os corredores humanitários no norte da cidade e oito autocarros e oito ambulâncias deslocados para sul, precisou, com mais veículos de reserva.

Os funcionários da missão da ONU e voluntários do Crescente Vermelho sírio vão participar nesta operação e acompanhar os civis durante todo o trajeto após a saída de Alepo, indicou.

O desenrolar da operação será difundido em tempo real no 'site' do ministério russo da Defesa através de câmaras de videovigilância instaladas perto dos corredores humanitários, segundo o general russo, antes de assegurar que população e rebeldes foram informados "antecipadamente" dos locais onde se sitiam os corredores humanitários.

"As partes russa e síria cumpriram todas as suas obrigações relacionadas com a organização de uma operação humanitária no leste de Alepo", sublinhou. "Esperamos que os Estados Unidos e as outras partes interessadas possam influenciar os chefes dos grupos armados para assegurar a evacuação de doentes e feridos, e ainda dos civis e a retirada dos rebeldes", acrescentou Roudskoi.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51