sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos protestaram 543 vezes em setembro por falta de produtos e serviços básicos

© Susana Vera / Reuters

Um relatório divulgado esta quarta-feira pelo Observatório Venezuelano de Conflituosidade Social (OVCS) dá conta que em setembro os venezuelanos realizaram pelo menos 543 protestos por diversos motivos, principalmente pela escassez e falta de abastecimento de produtos.

"Esta cifra equivale a 18 protestos diários em todo o país. Em comparação com igual mês do ano passado e representa um aumento de 11%", afirma.

"Nos primeiros nove meses do ano o OVCS documentou 5.268 protestos, 72% deles por direitos económicos, sociais e culturais", sublinha.

O relatório explica que "no mês de setembro continuou a situação de insegurança alimentar na Venezuela, caraterizada pela falta de abastecimento, escassez e carestia de produtos", sendo "a principal causa de mobilizações e ações de rua, principalmente de vizinhos".

A organização acrescenta também que houve mais 25% de protestos pelo elevado custo dos alimentos comparativamente a setembro de 2015.

"Em setembro foram documentados 21 saques e 33 tentativas (frustradas) de saques, 100% mais que em setembro de 2015. Os saques e as tentativas de saque continuam em todo o país. No entanto, ao observar os 678 casos documentados pelo OVCS durante os nove meses de 2016, aprecia-se uma clara diminuição desde o passado mês de julho (73 saques e 46 tentativas)", explica.

Por outro lado registaram-se 100 protestos para exigir uma habitação digna e pelos serviços de água potável e eletricidade, 16% menos que os 131 registados em igual mês do ano anterior.

O relatório conclui precisando que a maioria das mobilizações e protestos de rua, por direitos políticos, estão vinculados a etapas do referendo revogatório (do mandato do Presidente Nicolás Maduro), impulsionado pelos partidos políticos de oposição e um amplo setor da sociedade civil venezuelana.

Lusa

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38