sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia avisa a Rússia de que vai realizar testes de mísseis perto da Crimeia

© Gleb Garanich / Reuters

A Ucrânia aumentou esta quarta-feira as tensões com Moscovo ao avisar o Kremlin de que o seu exército vai realizar dois dias de exercícios de lançamento de mísseis perto da fronteira com a Crimeia, península ucraniana anexada pela Rússia.

Kiev não revelou se os testes marcados para quinta-feira envolverão alvos específicos, ou se os mísseis vão apenas ser disparados para o ar.

De qualquer maneira, vão por certo causar danos nas relações entre os dois antigos vizinhos soviéticos que se tratam como inimigos declarados.

Tais exercícios, perto da península da Crimeia, serão uma estreia para a Ucrânia e não ficou imediatamente claro o que terá desencadeado a sua realização.

Mas o anúncio feito por Kiev destas manobras militares surge depois de Moscovo ter detido na Crimeia, na semana passada, um alegado espião contratado pelas Forças Armadas ucranianas e ter acusado Kiev de raptar dois militares na região.

O Governo da Ucrânia considera que a Rússia anexou ilegalmente a península do mar Negro em março de 2014, após a deposição, um mês antes, do Presidente ucraniano apoiado por Moscovo.

Acusa também Moscovo de apoiar uma rebelião separatista pró-russa no leste industrial da Ucrânia, num conflito que fez quase 10.000 mortos.

A Rússia defende que a sua apropriação da Crimeia foi legal e nega ter conspirado ou apoiado o mais sangrento conflito na Ucrânia desde a Segunda Guerra Mundial.

O vice-ministro da Defesa ucraniano, Oleksandr Dublyan, disse que os testes de lançamento de mísseis começam na quinta-feira, em conformidade com a lei internacional.

"Não estamos a violar uma única norma internacional", disse o governante, citado pelo site de notícias ucraniano Dzerkalo Tyzhnya.

Kiev e a esmagadora maioria da comunidade internacional consideram a Crimeia -- uma região com cerca de dois milhões de habitantes maioritariamente falantes de russo -- parte da Ucrânia.

A agência noticiosa russa RIA Novosti tinha, pouco antes, citado a autoridade da aviação civil da Rússia afirmando que os mísseis da Ucrânia iriam mesmo aproximar-se da capital da Crimeia, Simferopol.

A imprensa de Kiev dava hoje conta de especulações segundo as quais Moscovo tenciona abater os mísseis ucranianos assim que os testes comecem.

O diretor do Conselho de Segurança Nacional ucraniano reagiu dizendo que tais ameaças não funcionarão.

"Ameaças sobre o uso de armas contra a Ucrânia são um esforço para transformar a guerra híbrida que a Rússia tem travado contra nós nos últimos três anos numa guerra ativa", sustentou Oleksandr Turchynov em comunicado.

Dmitry Peskov, o porta-voz do Presidente russo, Vladimir Putin, disse à imprensa em Moscovo que "o Kremlin não gostaria de ver qualquer tipo de ações da Ucrânia que se oponham ao direito internacional".

Acrescentou também que os testes poderão "criar condições perigosas para os voos internacionais que sobrevoem o território da Rússia e regiões vizinhas".

Lusa

  • Mário Centeno lidera hoje a primeira reunião do Eurogrupo
    1:56
  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

  • Quem são os arguidos da operação Fizz
    2:29

    País

    É já considerado o julgamento do ano da justiça portuguesa e o caso que está a abalar as relações entre Portugal e Angola. O processo da operação Fizz tem quatro arguidos, mas um deles, já é certo, não irá sentar-se esta segunda-feira no banco dos réus.

  • Que shutdown é este que paralisou os EUA?
    2:27
  • Casal que mantinha filhos acorrentados queria participar num reality show
    3:15
  • Quase 100 atletas testemunharam contra médico Larry Nassar
    1:38

    Desporto

    Quase 100 atletas e antigas ginastas da seleção dos Estados Unidos da América confrontaram esta semana, em tribunal, o médico Larry Nassar, acusado de assédio sexual. Em dezembro, o clínico foi condenado a 60 anos de prisão por um tribunal do Michigan, por posse de pornografia infantil.