sicnot

Perfil

Mundo

Agência espacial russa perde contacto com nave de carga não tripulada

(Arquivo)

© NASA NASA / Reuters

A agência espacial russa Roskosmos anunciou esta quinta-feira que perdeu o contacto com uma nave de carga não tripulada que ia reabastecer a Estação Espacial Internacional (EEI), logo após ter sido lançada do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão.

"Perdemos o contacto 383 segundos após a descolagem do lançador Soyuz com a nave espacial de carga Progress MS-04", anunciou a Roskosmos num comunicado, acrescentando que os especialistas estão a tentar perceber a origem do problema.

A chegada da Progress MS-04, que transporta uma carga de cerca de 2,4 toneladas de água, alimentação, combustível e equipamento para a EEI tinha sido prevista para as 16:43 GMT de sábado (mesma hora em Lisboa).

Em abril de 2015, a perda de uma nave Progress provocou uma profunda crise na indústria espacial russa, levando a Rússia a suspender todos os seus voos espaciais durante cerca de três meses.

A nave de carga perdeu o contacto com a Terra antes de se desintegrar na atmosfera. O falhanço, que os russos atribuíram a uma avaria no lançador Soyuz, obrigou um grupo de astronautas a passar mais um mês a bordo da estação de pesquisa espacial.

A atual equipa da EEI é constituída pelo francês Thomas Pesquet, os norte-americanos Peggy Whitson e Shane Kimbroughet, bem como os russos Oleg Novitski, Serguei Ryjikov e Andrei Borissenko.

Lusa

  • Buscas e apreensões na esquadra da PSP na Brandoa

    País

    O Ministério Público de Sintra esteve a fazer buscas e apreensões, esta manhã, na esquadra da PSP da Brandoa, no concelho da Amadora. De acordo com a Procuradoria-Gera Distrital de Lisboa, em causa estão crimes de corrupção passiva e ativa e abuso de poder.

  • Portugueses divididos na recondução da procuradora-geral da República
    1:31
  • "Os castigos incluiam sovas frequentes e até estrangulamento"
    5:03
  • Teste ao sangue deteta oito tipos de cancro

    Mundo

    Um novo teste sanguíneo experimental permitiu detetar precocemente os oito cancros mais frequentes em 70 por cento dos casos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature feito por investigadores nos Estados Unidos.