sicnot

Perfil

Mundo

Porta-voz do Kremlin diz que diálogo Rússia-Estados Unidos está congelado a todos os níveis

© Sputnik Photo Agency / Reuter

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou esta quarta-feira que o diálogo entre a Rússia e os Estados Unidos está "congelado a quase todos os níveis", com as relações bilaterais numa das piores crises desde o fim da Guerra Fria.

"O diálogo com os Estados Unidos está congelado a quase todos os níveis. Ou não comunicamos ou reduzimos ao mínimo" os contatos, afirmou Peskov numa entrevista à cadeia de televisão russa Mir-TV noticiada hoje pela agência russa Ria-Novosti.

As relações entre a Rússia e os Estados Unidos atravessam um dos seus piores momentos devido às graves tensões por causa do conflito sírio (Moscovo apoia ativamente o regime do presidente Bashar al Assad) e por causa da crise ucraniana.

A deterioração da relação entre os dois países começou com a anexação da Península da Crimeia pela Rússia em março de 2014. Os Estados Unidos já tinham acusado Moscovo de estar a apoiar os rebeldes pró-russos no Leste da Ucrânia.

Já no conflito sírio, os Estados Unidos têm condenado a atuação russa ao lado do regime de Bashar al Assad, nomeadamente o apoio com aviação (responsável por múltiplas missões de bombardeamento).

O porta-voz do departamento de Estado norte-americano, John Kirby, considerou - por seu lado - que "o envolvimento diplomático no que toca à Rússia mantém-se num grande número de questões", nomeadamente no que diz respeito à Síria.

Desde o início do mês que o chefe da diplomacia russa, Sergueï Lavrov, já falou três vezes por telefone com o seu homólogo norte-americano, John Kerry, indicou o ministério russo dos Negócios Estrangeiros.

"É um facto que temos divergências significativas com Moscovo (...) É bem conhecido. Não há avanço no diálogo", acrescentou Kirby.

Com a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou esperar um "diálogo construtivo" e "trabalho mútuo" com Washington "para que as relações entre a Rússia e os Estados Unidos saiam da situação crítica".

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.