sicnot

Perfil

Mundo

3.000 polícias vigiam comboios franceses devido à ameaça terrorista

© Eric Gaillard / Reuters

Cerca de 3.000 polícias patrulham durante a época natalícia o interior de comboios em França, especialmente os de alta velocidade e os regionais de Paris, devido à ameaça terrorista 'jihadista', foi hoje divulgado.

O secretário-geral da empresa ferroviária francesa SNCF, Stéphane Volant, disse à rádio Franceinfo, que os polícias destacados podem registar a bagagem e estão apoiados por cães e detetores de explosivos e de armas.

A preocupação com a segurança dos comboios aumentou desde as notícias que informam que o tuinisino Anis Amri, suposto autor do atentado de Berlim (Alemanha), de 19 de dezembro, viajou por França antes de ser morto pela polícia de Milão, Itália, na manhã de sexta-feira.

A França mobiliza hoje de manhã, véspera de Natal, pelo menos 91.000 efetivos entre polícias e exército para prevenir ataques, confirmou também o ministro francês do Interior, Bruno Le Roux.

O governante também explicou que as autoridades francesas estão a investigar a rota seguida pelo tunisino Amri e pediu prudência perante as informações segundo as quais terá viajado de comboio por França.

No ataque de Berlim morreram 12 pessoas atropeladas por um camião.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.