sicnot

Perfil

Mundo

Palestinianos vão contactar Tribunal Internacional após resolução da ONU

© Abed Omar Qusini / Reuters

O secretário-geral da OLP, Saeb Erekat, assegurou esta segunda-feira que os palestinianos vão contactar o Tribunal Penal Internacional (TPI) e agências da ONU após a aprovação sexta-feira no Conselho de Segurança da resolução que condena os colonatos israelitas.

Numa entrevista à agência noticiosa Wafa, Erekat declarou que tem previstas várias medidas que acompanhem a resolução, incluindo "pedir ao TPI que investigue todos os crimes de guerra israelitas, em particular os colonatos".

O dirigente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) acrescentou que respondem desta forma a um "comportamento arrogante de Israel, que inclui a construção de mais colónias, mortes, detenções e perseguições".

Entre as próximas medidas, será solicitado ao TPI que considere os colonatos "crimes de guerra" enquanto será pedido ao Conselho de direitos humanos da ONU "que faça o que seja necessário contra as óbvias violações de Israel como potência ocupante nos territórios palestinianos", frisou.

Nesta perspetiva, susteve que vão aproveitar a tomada de posse de António Guterres a 1 de janeiro como novo secretário-geral da ONU para solicitar que a Palestina se torne membro de pleno direito do Conselho de Segurança e possa dar seguimento à aplicação da resolução 2334, aprovada na sexta-feira.

Entre as várias iniciativas, e na qualidade de país anfitrião da Convenção de Genebra, será pedida à Suíça a organização de uma reunião com os Estados que votaram a resolução para que sejam definidos os mecanismos "para terminar com os crimes de Israel nos territórios ocupados, particularmente em Jerusalém leste", precisou Erekat na entrevista.

Segundo a agência noticiosa Wafa, responsáveis da OLP confirmaram que a conferência de paz para o Médio Oriente, que a França organiza em 15 de janeiro em Paris, tem como objetivo avançar com as resoluções internacionais através de um roteiro e de uma iniciativa de paz árabes.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC