sicnot

Perfil

Mundo

Tufão de Natal mata seis pessoas e deixa 18 desaparecidas nas Filipinas

© Erik de Castro / Reuters

Pelo menos seis pessoas morreram e 18 estão desaparecidas devido à passagem do tufão Nock-Ten pelas Filipinas durante a época natalícia, informou esta terça-feira o Governo.

A tempestade atingiu primeiro as províncias orientais no dia de Natal, inundando ruas e campos, destruindo casas e danificando navios, ao cruzar o arquipélago.

O incidente mais grave envolveu o barco MV Starlight Atlantic, que naufragou ao largo da província de Batangas, matando uma pessoa e deixando 18 membros da tripulação desaparecidos, segundo a guarda costeira.

Cinco outras pessoas morreram em cheias ou devido à queda de objetos.

O Nock-Ten deixou várias províncias sem eletricidade, não havendo ainda uma data para quando a energia será reposta.

Mais de 429 mil pessoas foram preventivamente deslocadas das suas casas em zonas vulneráveis e mais de 330 voos foram cancelados devido ao tufão, que causou também danos em casas e infraestruturas.

"Vimos muitas casas destruídas pelos ventos fortes. Infraestruturas como escolas e hospitais também. Ainda estamos à espera de saber o número exato de casas que foram destruídas e qual é exatamente o custo dos danos", disse Mina Marasigan, porta-voz da agência de gestão de desastres das Filipinas.

Espera-se que o Nock-Ten traga fortes chuvas e ventos à capital, Manila, onde moram 13 milhões de pessoas, apesar de o tufão ter perdido força entretanto.

Entre 15 e 20 tufões atingem todos os anos as Filipinas na época das chuvas, que começa em junho e termina em novembro.

O tufão mais poderoso e mortal que atingiu as Filipinas foi o Haiyan, que deixou 7.350 pessoas mortas ou desaparecidas e destruiu cidades inteiras em áreas densamente povoadas do centro das Filipinas, em novembro de 2013.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC