sicnot

Perfil

Mundo

Ataque pretende criar o caos na Turquia, diz Erdogan

STR

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, considerou hoje que o ataque de sábado numa discoteca de Istambul, que provocou pelo menos 39 mortos, pretende criar o caos na Turquia.

"Eles estão a tentar destruir a moral do nosso país e a instalar o caos ao atingirem deliberadamente a nossa paz e os nossos civis com estes ataques hediondos", afirmou Erdogan, num comunicado divulgado no sítio da Presidência turca.

Segundo a polícia, um homem vestido de Pai Natal entrou na discoteca Reina, uma das mais conhecidas de Istambul, e começou a disparar, matando pelo menos 39 pessoas, das quais 16 de nacionalidade estrangeira, e ferindo outras 69.

No ano de 2016, a Turquia sofreu uma série de ataques, a maioria reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico ou pelos rebeldes curdos e que provocaram centenas de mortos.

Erdogan assegurou hoje que a Turquia "vai continuar a lutar contra o terrorismo e fazer tudo o que for necessário para garantir a segurança dos seus cidadãos e a paz na região".

O Presidente turco acrescentou que a Turquia vai afetar todos os meios necessários, desde militares, económicos, políticos ou sociais, para combater "organizações terroristas" e os países que as apoiam, sem especificar a que grupos ou Estados se referia.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quatro detenções confirmadas. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Autoridades acreditam que suspeito do ataque nas Ramblas pertence a célula terrorista
    1:36
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42