sicnot

Perfil

Mundo

Ataque pretende criar o caos na Turquia, diz Erdogan

STR

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, considerou hoje que o ataque de sábado numa discoteca de Istambul, que provocou pelo menos 39 mortos, pretende criar o caos na Turquia.

"Eles estão a tentar destruir a moral do nosso país e a instalar o caos ao atingirem deliberadamente a nossa paz e os nossos civis com estes ataques hediondos", afirmou Erdogan, num comunicado divulgado no sítio da Presidência turca.

Segundo a polícia, um homem vestido de Pai Natal entrou na discoteca Reina, uma das mais conhecidas de Istambul, e começou a disparar, matando pelo menos 39 pessoas, das quais 16 de nacionalidade estrangeira, e ferindo outras 69.

No ano de 2016, a Turquia sofreu uma série de ataques, a maioria reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico ou pelos rebeldes curdos e que provocaram centenas de mortos.

Erdogan assegurou hoje que a Turquia "vai continuar a lutar contra o terrorismo e fazer tudo o que for necessário para garantir a segurança dos seus cidadãos e a paz na região".

O Presidente turco acrescentou que a Turquia vai afetar todos os meios necessários, desde militares, económicos, políticos ou sociais, para combater "organizações terroristas" e os países que as apoiam, sem especificar a que grupos ou Estados se referia.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.