sicnot

Perfil

Mundo

Detida mulher ligada a caso de corrupção que envolve presidente sul-coreana

© Kim Hong-Ji / Reuters

Uma mulher relacionada com o caso de corrupção que levou à destituição da Presidente da Coreia do Sul foi detida na Dinamarca, informou hoje a Ministério Público sul-coreano.

Uma mulher relacionada com o caso de corrupção que levou à destituição da Presidente da Coreia do Sul foi detida na Dinamarca, informou hoje a Ministério Público sul-coreano.

Trata-se da filha de Choi Soon-sil, a amiga da Presidente Park Geun-hye que está no centro do caso de alegada corrupção que as autoridades estão a investigar.

As autoridades sul-coreanas tinham pedido à Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal) para procurar Chung Yoo-ra, que foi detida na Dinamarca.

O Ministério Público acusou a Presidente Park Park Geun-hye de conluio com Choi Soon-sil para extorquir dinheiro e favores de algumas das maiores empresas do país, e de permitir que a amiga manipulasse assuntos de Estado.

A agência de notícias sul-coreana disse que Chung alegadamente tirou partido da relação da mãe com Park para obter favores de uma universidade em Seul.

A 31 de dezembro, o ex-ministro da Saúde da Coreia do Sul Moon Hyung-Pyo ficou em prisão preventiva no âmbito do mesmo caso.

Moon Hyung-Pyo reconheceu que quando era ministro (entre dezembro de 2013 e agosto de 2015) pressionou o serviço nacional de pensões para apoiar uma fusão entre duas filiais da Samsung, apesar de a participação do fundo em uma das empresas ter perdido centenas de milhões de dólares em valor.

O ex-ministro estava atualmente à frente do serviço nacional de pensões da Coreia do Sul.

O parlamento, controlado pela oposição, aprovou a destituição da Presidente a 09 de dezembro, decisão que terá de ser ratificada, num prazo de seis meses, pelo Tribunal Constitucional.

Os seus poderes presidenciais estão suspensos, com o primeiro-ministro a liderar o Governo.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.