sicnot

Perfil

Mundo

Detido capitão de ferry que se incendiou na Indonésia

ADI WEDA

A polícia da Indonésia anunciou hoje a detenção do capitão do ferry a bordo do qual um incêndio causou 23 mortos no domingo perto de Jacarta.

O Zahro Express tinha acabado de deixar a costa perto de Jacarta com 250 pessoas a bordo para celebrar o novo ano na ilha de Tidung, destino turístico a cerca de 50 quilómetros, quando o motor teve problemas e explodiu, provocando o incêndio, segundo a agência francesa AFP.

Alguns passageiros em pânico atiraram-se à água, enquanto outros lutavam por coletes salva-vidas.

A maior parte das pessoas foi socorrida, mas 23 morreram e cerca de outras 50 ficaram feridas, segundo a agência oficial de gestão de catástrofes.

Alguns media locais afirmaram que o capitão foi um dos primeiros a atirar-se ao mar, antes de ser socorrido juntamente com outros passageiros.

Argo Yuwono, porta-voz da polícia de Jacarta, anunciou hoje a detenção no domingo, do capitão, suspeito de negligência.

Os acidentes com ferries são muito comuns na Indonésia, o maior arquipélago do mundo, onde a regulação dos barcos de serviço é muitas vezes negligenciada.

Lusa

  • Merkel visita Portugal no final de maio

    País

    A chanceler alemã, Angela Merkel, efetua uma visita oficial a Portugal nos dias 30 e 31 deste mês a convite do primeiro-ministro, António Costa. Com passagem por Braga, Porto e Lisboa.

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.